Morreram 145 baleias-piloto depois de encalharem em Mason Bay, na ilha de Stewart, na Nova Zelândia. Um homem que fazia caminhadas na região avistou as baleias no passado sábado e notificou o Departamento de Conservação às 22h30, segundo noticiou o jornal New Zealand Herald.

Metade das baleias ainda estava viva quando as autoridades chegaram à praia. Porém, devido ao fraco estado de saúde dos mamíferos e em virtude de se encontrarem num local de difícil acesso, tomou-se a decisão de as eutanasiar, de acordo com o diretor operacional do Departamento de Conservação, Ren Leppens.

Infelizmente, a probabilidade de sermos capazes de devolver as restantes baleias com sucesso à água era extremamente baixa. A localização remota, a falta de pessoal próximo e a condição deteriorante das baleias significavam que a coisa mais humana a fazer era eutanasiá-las. Mas é sempre uma decisão que parte o coração”, afirmou Ren Leppens, citado pelo jornal.

A Nova Zelândia é o país onde mais baleias morrem presas nas praias, sendo frequente o registo de novos encalhes. O Departamento de Conservação regista uma média de 85 incidentes por ano – a maioria de animais sozinhos, como revela o jornal.

No domingo passado, 10 orcas encalharam na praia Ninety Mile. Duas já se encontravam mortas e houve tentativas de se salvar as outras. Este foi o segundo encalhe registado no norte da região num espaço de três dias, depois de cachalotes terem dado à costa na praia de Tokoroa, na passada sexta-feira.

Em fevereiro do ano passado, a Nova Zelândia deu conta do terceiro maior episódio da história do país relativo à morte de baleias encalhadas. Ao todo, 416 baleias ficaram encalhadas numa praia perto de Nelson, na ilha do Sul da Nova Zelândia. Um conjunto de voluntários tentou ajudar, mas pelo menos 300 baleias acabaram por morrer.