O arcebispo de Évora pediu esta quarta-feira “atenção” para que se evitem tragédias como a de Borba, que provocou, pelo menos, dois mortos e três desaparecidos, devido ao colapso de uma estrada para dentro de duas pedreiras.

“Evidentemente que acidentes destes são para não se repetir” e que “tudo aquilo que deve ser feito a nível de previsão, de acompanhamento e de segurança se impõe”, defendeu Francisco Senra Coelho.

O arcebispo, que falava à agência Lusa à margem de uma eucaristia realizada esta quarta-feira à noite na aldeia de Bencatel, Vila Viçosa, concelho vizinho de Borba (Évora), à qual presidiu, pediu “atenção” para que não voltem a acontecer situações como a de dia 19 deste mês, quando ocorreu um deslizamento de terra e o colapso de um troço da estrada 255 para dentro de duas pedreiras de extração de mármores.

“Pedimos, pois, esta atenção a todos os que têm o dever e a obrigação de cuidar da cidadania, para que nos sintamos todos seguros e, no conforto do nosso dia-a-dia”, possamos “confiar nas nossas viagens, nas nossas situações da vida que exigem, evidentemente, segurança”, afirmou.

O prelado disse também à Lusa que “não podia ficar indiferente” à “situação de sofrimento” que a comunidade de Bencatel está a viver, daí o facto de ter presidido à eucaristia na Paróquia de Santana, na aldeia, pelas vítimas da derrocada da Estrada Municipal 255 entre Borba e Vila Viçosa.

Um dos dois trabalhadores de uma empresa de mármores que morreram no acidente residia nesta aldeia e, dos três desaparecidos, que seguiam em duas viaturas, que ainda estão a ser procurados pela Proteção Civil, dois são de Bencatel (o outro é de Alandroal).

“Sabemos que há dois homens [da aldeia] que estão ainda desaparecidos, um deles é casado e tem duas filhas, o outro é um senhor solteiro, que tem a sua mãe num lar, o que significa ter duas pessoas desaparecidas na situação trágica em que tudo aconteceu”, realçou, frisando que se associou à celebração religiosa para fazer “sentir a estas pessoas, famílias, amigos e à comunidade de Bencatel, que não estão sozinhos”.

Segundo a Arquidiocese de Évora, com esta deslocação a Bencatel, o prelado pretendeu “estar próximo da comunidade, neste momento de dor e luto, para confortar as famílias e rezar pelas vítimas daquele trágico acidente”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez-se representar na eucaristia.

Na semana passada, o arcebispo Francisco Senra Coelho presidiu a uma outra eucaristia, no Santuário do Senhor Jesus dos Aflitos, em Borba, pelas vítimas do acidente ocorrido dias antes e, numa mensagem publicada nas redes sociais, disse logo na altura compartilhar “a dor e o luto dos familiares e amigos das vítimas”.

O deslizamento de um grande volume de terra na estrada 255 entre Borba e Vila Viçosa provocou a deslocação de uma quantidade significativa de rochas, de blocos de mármore e de terra para o interior de duas pedreiras contíguas no dia 19 deste mês, às 15:45.

O Ministério Público instaurou um inquérito para apurar as circunstâncias do acidente e o Governo pediu uma inspeção urgente ao licenciamento, exploração, fiscalização e suspensão de operação das pedreiras situadas na zona de Borba.