Os trabalhadores moçambicanos nas minas da África do Sul só podem renovar os seus contratos de trabalho mediante o rastreio da tuberculose na fronteira entre os dois países, anunciou o Ministério da Saúde de Moçambique (MISAU).

Fonte do MISAU, citada esta quarta-feira pelo jornal Notícias, o principal diário moçambicano, assegurou que as autoridades de saúde instalaram um posto de controlo na fronteira de Ressano Garcia, para o rastreio da tuberculose em todos os mineiros que atravessam para a África do Sul. “Há uma alta incidência de tuberculose nas comunidades de proveniência dos trabalhadores mineiros, especialmente trabalhadores das minas de ouro da África do Sul”, afirmou a fonte.

O diagnóstico é parte das medidas de prevenção primária da doença e vai permitir uma deteção precoce visando o início atempado do tratamento e redução ou corte da cadeia de transmissão da tuberculose. Mais de 27 mil mineiros moçambicanos trabalham na África do Sul e voltam ao país de origem uma vez por ano para a renovação dos contratos de trabalho.