Crimeia

Kremlin acusa Ucrânia de querer aumentar tensão militar com apelos à Nato

O governo russo acusou a Ucrânia de querer aumentar a tensão no conflito entre os dois países, ao pedir uma maior intervenção de forças militares da Nato, em particular da Alemanha, no Mar de Azov.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, referia-se às declarações do Presidente da Ucrânia, que pediu uma maior intervenção de forças militares da Nato, em particular da Alemanha, no Mar de Azov

SERGEI CHIRIKOV/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O governo russo acusou esta quinta-feira a Ucrânia de querer aumentar a tensão no conflito entre os dois países, ao pedir reforço militar da Nato na região. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou esta quinta-feira que o governo ucraniano está a tentar provocar maiores tensões no conflito entre a Rússia e a Ucrânia, após o apresamento de três navios de guerra ucranianos pela guarda costeira russa, no domingo.

Peskov referia-se às declarações desta quinta-feira do Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, que pediu uma maior intervenção de forças militares da Nato, em particular da Alemanha, no Mar de Azov. Numa entrevista ao jornal alemão Bild, divulgada esta quinta-feira, o presidente Petro Poroshenko manifestou esperança de que a Nato “realocasse navios para o Mar de Azov a fim de ajudar a Ucrânia e garantir segurança” contra as ambições expansionistas do presidente russo Vladimir Putin.

O porta-voz do Kremlin disse que o apelo de Poroshenko à Nato é ditado pelos seus interesses “pré-eleitorais e políticos”, com vista a ganhar popularidade para as eleições presidenciais na Ucrânia, em março do próximo ano.

A porta-voz da Nato, Oana Lungescu, já esta quinta-feira tinha também reagido a esse pedido do Presidente ucraniano, explicando que a organização já tem uma “forte presença” na região do Mar Negro, fazendo notar que os navios da Nato passaram este ano 120 dias nessa região, comparando com os 80 dias de permanência, em 2017.

Por seu lado, a chanceler alemã, Angela Merkel, pediu esta quinta-feira contenção a Kiev, após o apelo do presidente ucraniano para a Nato enviar navios para o Mar de Azov para enfrentar a Rússia no conflito ao largo da costa da Crimeia. “Também instamos o lado ucraniano a manter-se informado, porque só poderemos resolver as coisas permanecendo razoáveis, discutindo uns com os outros. Não pode haver uma solução militar para estes confrontos”, disse Merkel em Berlim, num fórum económico germano-ucraniano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)