Rádio Observador

Liga dos Campeões

Neymar marcou, protestou com adeptos, fez um “cabrito” e levou Klopp à loucura (por estar sempre no chão)

PSG ganhou a final frente ao Liverpool por 2-1 num jogo em que Neymar foi herói com traços de vilão. Em paralelo, o brasileiro fez história na Champions tal como Messi, que decidiu triunfo do Barça.

Neymar regressou com um golo e tornou-se o brasileiro com mais golos na Champions, superando Kaká

Getty Images

As lesões de Neymar e Mbappé ao serviço das respetivas seleções ainda fizeram soar os alarmes no PSG mas a dupla ofensiva conseguiu mesmo recuperar dos problemas e estar apta para a autêntica final nesta fase de grupos que se jogava no Parque dos Príncipes frente ao Liverpool. O francês talvez não tenha brilhado tanto como é habitual nos últimos encontros (ainda que a arrancada que origina o segundo golo tenha ficado mais uma vez na retina) mas o brasileiro roubou os holofotes para si com uma luz que servia para ele, para o jovem francês e para o resto da equipa – afinal, grande parte do triunfo do conjunto gaulês diante do finalista vencido da última Champions (2-1) é contado pelas suas ações.

Depois do golo inaugural de Bernat, que se apresentou sem licença na área contrária para enganar toda a gente e disparar para o 1-0 no primeiro quarto de hora, Neymar aumentou para 2-0 ainda antes do intervalo, aproveitando uma bola a pingar na área após defesa do compatriota Alisson Becker a desvio isolado de Cavani. Houve uma dança nova nos festejos e um recorde por trás desse regresso aos golos: o antigo avançado do Barcelona tornou-se o brasileiro com mais golos na Liga dos Campeões (31), superando o registo do antigo médio ofensivo (e Bola de Ouro, em 2007) Kaká.

No entanto, a história de Neymar neste encontro estava longe de ter ficado por aí: apesar do 2-1 que se registava ao intervalo (Milner ainda reduziu antes do intervalo de grande penalidade) se ter prolongado até ao final da partida, o avançado ainda teve tempo para perder um lance prometedor de contra-ataque porque estava distraído a protestar com uma reação menos positiva dos adeptos, fez um “cabrito” perto da bandeirola de canto nos descontos e acabou a festejar junto da claque do PSG com a camisola do compatriota Alisson vestida. Um espetáculo dentro do espetáculo que muitos podem ter gostado mas que deixou o técnico dos ingleses, Jürgen Klopp, à beira da loucura, como se percebeu na flash interview após o jogo.

O gesto artístico de Neymar que deixou os jogadores do Liverpool ainda mais aziados com o brasileiro (BERTRAND GUAY/AFP/Getty Images)

“Houve momentos decisivos no encontro mas, com 2-1 ao intervalo, acreditávamos poder ainda mudar o jogo. No entanto, na segunda parte, com tantas interrupções, como era possível… Todos sabiam o que queriam fazer, em especial o Neymar. Estivemos no topo da tabela do fair play em Inglaterra nos últimos anos mas hoje parecíamos talhantes, pelo número de amarelos que vimos. Foi incrível a forma como estiveram sempre a quebrar o ritmo, mesmo sabendo que com um bocado de sorte podíamos ter marcado… Se Neymar andou a simular faltas? Já disse o que tinha a dizer…”, lamentou o alemão, que na antevisão do jogo dissera por graça que já tinha visto 500 mil vídeos dos jogos de Neymar e Mbappé.

Em Eindhoven, e depois das bolas ao poste do PSV no primeiro tempo, o Barcelona conseguiu chegar à vitória com o empurrão do suspeito do costume, Lionel Messi, que reforçou o estatuto de melhor marcador em fases de grupos da Liga dos Campeões com 66 golos em… 66 jogos. E que golo: rodeado por cinco adversários na área, o argentino disparou um míssil que deixou pregado ao relvado Zoet, que não viu a bola partir e só teve tempo para seguir (e mal) com os olhos a sua trajetória.

Os catalães ganharam por 2-1 mas o mais curioso surgiu no final do encontro, quando Piqué e Messi comentaram de forma bem diferente o lance que deu o segundo golo aos blaugrana. “Foi uma jogada ensaiada, que treinamos muito e saiu de forma perfeita. Sabemos que o Leo tem muitas armas e que em cada jogo tenta algo diferentes”, comentou o central espanhol. “Jogada do segundo golo? Foi um livre que me saiu mal mas o Geri estava por ali, viu e aproveitou”, confessou o argentino.

Contas feitas, houve mais cinco equipas a assegurarem esta noite presença nos oitavos da Liga dos Campeões: no grupo A, Atl. Madrid e B. Dortmund garantiram a passagem, apesar do empate sem golos dos alemães na receção ao Cub Brugge que deu vantagem aos colchoneros para carimbarem o primeiro lugar na última jornada; no grupo B, onde o Barcelona já garantiu a liderança, o Tottenham manteve o sonho após vencer o Inter por 1-0, chegando ambos os conjuntos em igualdade pontual para a sexta ronda; no grupo C, Nápoles, PSG e Liverpool jogarão a última partida com possibilidades em aberto de apuramento; e no grupo D, o FC Porto carimbou o primeiro lugar depois do triunfo com o Schalke 04.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)