Brasil

Taxa de desemprego no Brasil cai para 11,7% com contratações em período eleitoral

A taxa de desemprego no Brasil recuou para 11,7% no trimestre móvel encerrado em outubro, uma queda de 0,6 pontos percentuais face aos 12,3% registados de maio a julho.

A taxa de desemprego no Brasil subiu significativamente devido à forte crise económica que atingiu o país entre 2015 e 2016, quando o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 7 pontos percentuais

Marcelo Sayao/EPA

A taxa de desemprego no Brasil recuou para 11,7% no trimestre móvel encerrado em outubro, uma queda de 0,6 pontos percentuais face aos 12,3% registados de maio a julho, divulgou esta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dados mostram que a população com trabalho no país cresceu 1,4% (1,2 milhões de pessoas), nesse período, totalizando 92,9 milhões de pessoas. Mesmo assim, ainda existiam 12,4 milhões de brasileiros à procura trabalho no período. O IBGE frisou que o resultado foi puxado por contratações de empregados temporários no período eleitoral e entrada de mais pessoas no mercado informal, ou seja, que trabalham por conta própria sem contrato de trabalho.

“A desocupação vem em processo de queda e essa tendência é em função da entrada de pessoas trabalhando na informalidade. Os empregados com contrato de trabalho não dão nenhum sinal de aumentar”, explicou o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo. “O que aumentam são os empregados sem carteira e os trabalhadores por conta própria”, acrescentou.

Segundo Cimar Azevedo, a queda do desemprego foi favorecida pelas eleições: “no grupo de Informação, estão as pessoas ocupadas nas pesquisas eleitorais e no grupo de outros serviços, os cabos eleitorais e todo o pessoal que trabalhou fazendo campanha para os candidatos”, frisou.

As pessoas que trabalharam nas eleições aumentaram o contingente de brasileiros subocupados por insuficiência de horas, que chegou a 7 milhões de pessoas no trimestre encerrado em outubro, dado que indicou um aumento de 6,4% (418 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior. Em relação aos meses de agosto a outubro de 2017 esse indicador apresentou uma variação positiva de 10,5%.

A taxa de desemprego no Brasil subiu significativamente devido à forte crise económica que atingiu o país entre 2015 e 2016, quando o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 7 pontos percentuais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)