Estados Unidos da América

Cameron Underwood: da tentativa de suicídio ao transplante facial

Cameron Underwood tentou o suicídio, mas falhou e os danos provocaram-lhe graves danos na cara. Em janeiro fez um transplante facial que durou 25 horas e envolveu mais de 100 médicos.

Cameron Underwood e o médico Eduardo Rodriguez na conferência de imprensa sobre o transplante facial, esta quinta-feira, em Nova Iorque

Getty Images for NYU Langone

Cameron Underwood, 26 anos, apontou a arma ao queixo e disparou numa tentativa de suicídio há pouco menos de dois anos. Não morreu, mas a tentativa destruiu-lhe o rosto. Agora, 11 meses depois do transplante facial a que foi submetido, conta a sua história.

Natural da Califórnia, Estados Unidos, Cameron tentou suicidar-se em junho de 2016. A tentativa acabou por falhar e os danos provocaram-lhe a destruição total do nariz, parte do queixo e dentes. Ainda investiu em algumas cirurgias reconstrutivas, mas de nada lhe valeram.

Sem uma solução aparente, a mãe do jovem leu um artigo numa revista sobre o trabalho do médico Eduardo Rodriguez no departamento de cirurgias plásticas de NYU Langone Health, um centro de investigação médico universitário em Nova Iorque, e considerou que a única solução passava por lá. “O Cameron sabia que ele [o médico] era a única pessoa em que ele podia confiar a vida”, conta a mãe, citada pela cadeia de televisão CNN. 

A cerca de 4.300 quiolómetros da clínica e “dispostos a tudo”, mãe e filho rumaram a Nova Iorque sem pensar duas vezes. O transplante facial foi realizado em janeiro do ano passado, liderado pelo professor e Eduardo Rodriguez,  durou 25 horas e envolveu uma equipa de mais 100 médicos. A operação foi um sucesso e partilhada em vídeo esta quinta-feira na rede social Twitter pelo NYU Health.

Os procedimentos foram relativamente rápidos, já que entre o momento do acidente e o transplante passaram apenas 18 meses. Os médicos consideram que este facto ajuda em grande medida na recuperação a nível física, emocional e psicológica do paciente, já que pode levar a “problemas severos como a depressão, abusos de drogas e outros comportamentos de risco”.

No painel do lado esquerdo, Cameron Underwood antes do transplante e no lado direito, o resultado após o transplante. (Foto de Monica Schipper/Getty Images para NYU Langone)

Cameron e a mãe acabaram por conhecer a mãe do dador, um rapaz de 23 anos que se alistou como dador aos 10 anos. Após o período de reabilitação, o jovem já regressou a casa, na Califórnia. Agora, está eternamente grato à equipa médica e tem esperança no futuro, mas tem que tomar medicamentos anti-rejeição para o resto da vida. 

Espero que a minha experiência inspire e dê esperança a outras pessoas que enfrentam problemas faciais e que são muitas vezes alvo de ofensas , assim como eu fui inspirado por outros. A jornada não foi fácil, mas valeu a pena”, sublinha Cameron.

O primeiro transplante facial com sucesso aconteceu em 2005, mas a transplantada acabou por morrer em abril de 2016, devido ao cancro causado pelos medicamentos anti-rejeição. Já a pessoa mais jovem a ter um transplante facial foi Katie Stubblefield, na altura com 18 anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)