Rádio Observador

Madrid

Madrid impõe limites à circulação de carros poluentes no centro

200

A partir desta sexta-feira só se tiver um carro com emissões-zero é que pode circular livremente no centro da capital espanhola. São as regras mais restritivas que existem na Europa.

JJGuillen/EPA

Só se tiver um carro com zero emissões poluentes é que poderá, a partir desta sexta-feira, circular livremente no centro de Madrid. Entraram em vigor as limitações do plano “Madrid Central”, que partilham algumas das ideias já aplicadas em outras cidades, incluindo Lisboa, como a proibição de circulação de carros mais antigos, mas que levam as limitações bem mais longe. O objetivo é melhorar a qualidade do ar e tirar veículos do centro da cidade, libertando-a para outros tipos de veículos como as bicicletas e scooters elétricas. E para as pessoas, defende a autarquia.

Uma boa parte do centro de Madrid, equivalente a 472 hectares, fica vedada a vários tipos de automóveis, o que há várias semanas está a gerar controvérsia na cidade. A principal medida é a proibição da circulação a veículos que não tenham obtido uma certificação especial ou que não tenham outras das condições de exceção, como veículos de pessoas com mobilidade reduzida, veículos de emergência, transporte público ou transporte escolar e residentes que precisam de aceder a garagens particulares.

As regras preveem que os carros com motor a gasolina produzidos antes de 2000 e os de gasóleo (diesel) anteriores a 2006 fiquem proibidos de circular na zona central, a menos que sejam residentes ou que tenham alguma isenção específica. Os carros que tiverem a certificação zero podem circular livremente, ao passo que os que tiverem classificação Eco (para os híbridos) têm limitações menores. Já os B ou C só podem circular se estiverem a dirigir-se para estacionar num parque de estacionamento.

Para obter as certificações é preciso ir a uma estação dos correios com o livrete do carro — o custo é de cinco euros por veículo.

Para quem vem de fora ou vai visitar moradores da zona, cada morador vai ter direito a 20 convites por mês para dar acesso a veículos de familiares ou amigos. Os veículos de GPL têm permissão para estacionar durante um máximo de duas horas e as carrinhas de transporte de produtos, que abastecem, por exemplo, os restaurantes e comércio local, têm permissão para aceder à zona das 7 da manhã até às 13h (só os mais modernos e menos poluentes poderão entrar até às 9 da noite).

As novas medidas vão ter uma aplicação faseada: até ao início de janeiro haverá uma espécie de período experimental, em que as autoridades vão monitorizar as alterações na circulação; numa segunda fase vai ser ativado um controlo de matrículas através de câmaras de vídeo e os infratores vão ser avisados. A partir de março, numa terceira fase, as autoridades irão passar a controlar as entradas de forma mais rígida e podem multar os automobilistas que circularem de forma irregular.

O plano é a medida mais mediática da presidente da Câmara Manuela Carmena, do partido Ahora Madrid, com ligação ao Podemos, e deverá tirar cerca de 58 mil carros da cidade, reduzindo em 40% as emissões poluentes na cidade. Neste primeiro dia, a empresa municipal de transportes indicou que houve uma redução média de 50% no tempo de cada viagem naquela zona.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)