Rádio Observador

Benfica

Rui Vitória também teve 20 minutos à Benfica na conferência: “Quem perdeu o orgulho vai voltar a ter”

Vitória sabia o que se passava e que a decisão mais fácil era sair; ao invés, quis ficar e está apostado no regresso aos triunfos: "Quando o Benfica está forte e unido, é muito difícil ser derrotado".

Rui Vitória assumiu que estava a par da discussão interna que havia sobre o seu futuro depois da goleada em Munique

AFP/Getty Images

Em 48 horas, o futebol do Benfica sofreu uma verdadeira convulsão, com avanços e recuos que, no final, acabaram por deixar tudo na mesma em termos práticos mas que podem ou não alterar o futuro da temporada encarnada. Depois da goleada sofrida em Munique frente ao Bayern, que afastou a equipa da Liga dos Campeões (tendo garantido ainda assim o acesso à Liga Europa), houve reuniões entre administradores da SAD, a garantia interna de que Rui Vitória tinha chegado ao fim de linha, um volte face promovido e assumido por Luís Filipe Vieira de madrugada e um aviso final à navegação: “Todos têm de fazer melhor”.

Numa conferência de imprensa realizada no estádio da Luz esta quinta-feira, o presidente encarnado abordou todas as dúvidas sobre o momento vivido. Da mesma forma como assumiu haver em termos internos quem considerasse que a melhor saída para a crise de resultados (e exibições, acrescente-se) passava pela rescisão com o técnico, Vieira chamou a si a responsabilidade pela permanência de Rui Vitória. Explicou que a mesma foi tomada após muita ponderação e de forma amadurecida e, entre mais explicações, teve uma frase hoje muito destacada em toda a imprensa: “Foi uma luz que me deu”. Perante isso, e destacando a importância que dá à estabilidade dos projetos desportivos no clube, distribuiu também responsabilidades por todo o grupo, deixando ainda um recado aos jogadores (e não só): “Há mais gente culpada, se tivéssemos de mexer, teríamos de mexer em muitas peças. Hoje [ontem] ficou tudo claro no balneário: é para jogar à Benfica, não é para jogar lento, lento, lento. É para jogar à Benfica, com garra”. Esta sexta-feira, chegou a vez de Rui Vitória abordar também tudo o que se passou.

Numa conferência de imprensa que teve início cerca de 15 minutos depois da hora prevista (12h45) – “peço desculpa, estivemos ali a acabar um trabalho”, comentou –, Rui Vitória admitiu que viveu a semana “de uma forma intensa”. “Quando vinha na viagem já tinha começado a preparar o jogo com o Feirense e assim continuou depois da da decisão. Pronto para a luta”, disse.

“Hoje era fácil para o presidente e para o treinador não estar aqui, estar a apanhar o avião para o outro lado. Depois de uma reflexão, achámos que era a melhor solução. Comecei um projeto que tinha por objetivo ganhar e mudar o paradigma. Não estou preocupado com isso das soluções a prazo, agora é olhar para a frente porque tenho muito para ganhar ao Benfica. As palavras do presidente? Primeiro, dar os parabéns pela sua franqueza; depois, percebo perfeitamente o que disse. Até outubro fomos a melhor equipa, depois já não fomos. Não estivemos bem mas quem perdeu orgulho pelo Benfica vai voltar a ter, quem tem alguma fraqueza a olhar para a equipa vai voltar a ter certezas. Temos de estar unidos. A simbiose que surgiu ontem e que vi nos meus jogadores é extensível a todos: temos de nos unir, os adversários querem é que não estejamos assim. Agora não é fácil ouvirem isto mas quando o Benfica está forte e unido dentro e fora de campo, é muito difícil ser derrotado”, destacou.

Vitória garantiu que será o primeiro no jogo com o Feirense a aplaudir a entrada da equipa (PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images)

“Trabalhamos de forma muito honesta e sincera aqui. Ontem era fácil para todas as partes. Não tenho compromisso com a pessoa A, B e C, entendemos numa reflexão conjunta que esta era a melhor solução. Não é por qualquer dinheiro que fico ou saio do Benfica. Sabia perfeitamente o que se passava em relação a tudo”, prosseguiu. “Há mudanças claras. Primeiro tem de ser interior porque não podemos querer mudar o mundo sem nos mudarmos a nós mesmos. Custou muito chegar ao ‘tetra’ e é preciso saber o que é representar o Benfica, quem não souber não está aqui a fazer nada. Nunca disse ao presidente que não tinha condições e quando decidimos, eu e o presidente, demos pela primeira vez um abraço, forte e sentido”, confidenciou, explicando uma mudança, por exemplo, que fará já para o encontro com o Feirense: “Vão estar convocados 18, nem mais um”.

“Sei os jogadores que tenho, o que podem dar e as mudanças que há a fazer. Mudanças a começar por mim – quando aponto o dedo a alguém, tenho três apontados a mim. Quem não tenha orgulho nesta equipa, vai voltar a ter. E fica já avisado: vou ser o primeiro a ocupar o meu lugar de trabalho amanhã e a bater palmas aos jogadores. Quanto menos unidos estivermos, mais fortes estarão os adversários. Deixo esse desafio: o Benfica quando está unido dentro e fora de campo é mesmo muito forte e toda a gente tem de sentir esse poder que o Benfica tem. Há momentos na vida que nos fazem refletir, pensar e mudar. Muitas vezes tem de haver uma tempestade para as coisas entrarem no caminho certo e sinto que, com racionalidade e frieza, temos cumprido aquilo que me trouxe ao Benfica, a mudança do paradigma. E vamos continuar a ganhar”, concluiu, não querendo confirmar a proposta que terá recebido “porque nesta altura é irrelevante”. Ainda assim, voltou a repetir uma ideia que deixara no arranque no final de uma conferência de 20 minutos (e direito a uma pergunta extra): “Se quisesse poderia estar a apanhar o avião para outro lado e se calhar essa até era opção mais fácil. Eu e o presidente tínhamos uma decisão mais fácil, de um lado uma mala cheia de dinheiro, do outro uma série de treinadores que queriam vir para aqui”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)