Comité Olímpico

Comité Olímpico Internacional cria comissão para os direitos humanos

A instituição será liderada pelo jordano Zeid Ra'ad al-Hussein, antigo Alto Comissário para os Direitos Humanos das Nações Unidos e vai exigir o cumprimento de princípios básicos a cidades anfitriãs

MAGALI GIRARDIN/EPA

O Comité Olímpico Internacional (COI) anunciou hoje a criação de uma comissão de direitos humanos, que vai ser liderada pelo jordano Zeid Ra’ad al-Hussein, antigo Alto Comissário para os Direitos Humanos das Nações Unidos.

O presidente do COI, Thomas Bach, adiantou, em Tóquio, que os direitos humanos vão ser incluídos nos contratos com as cidades-sede dos Jogos Olímpicos, a partir de Paris 2024.

Questionado sobre se esta nova comissão vai já avaliar os Jogos de Inverno de 2022, em Pequim, Bach lembrou que o COI “não tem o mandato nem a autoridade para resolver problemas de direitos humanos”, considerando que essas são “questões políticas”.

Um relatório da Human Rights Watch revelou que a China tem vindo a expandir, na região do Xinjiang, uma rede de 28 campos onde se estima que mais de um milhão de uigures são forçados a criticar o islão e a própria cultura, a aprender mandarim e a jurar lealdade ao Partido Comunista Chinês (PCC).

A análise detalha que, desde o início de 2017, e sobretudo em pouco mais de meses, os campos registaram uma expansão total de mais de dois milhões de metros quadrados.

Na região do Xinjiang vivem cerca de 11 milhões de uigures.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desporto

Condecorações desportivas

José Manuel Constantino
685

As condecorações entregues pelo Presidente da República são positivas, mas o excesso ou uma opção não baseada em critérios de valor desportivo corre o risco de banalizar o que deveria ser a excelência

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)