Rádio Observador

Angola

Consultora Capital Economics diz que Angola perdeu mais de 615 milhões de euros em novembro com o petróleo mais barato

A produção petrolífera de angolana caiu do equivalente a 3.325 milhões de euros, em outubro, para 2.683 milhões de euros em novembro.

VADIM RUSAKOV/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A consultora Capital Economics disse hoje que Angola perdeu 20% das receitas do petróleo em novembro devido à descida dos preços desta matéria-prima, o que equivale a uma perda de 700 milhões de dólares (615 milhões de euros).

“A recente descida dos preços foi outro golpe para a já de si fragilizada economia angolana”, escrevem os consultores, numa análise sobre o impacto da evolução do preço do barril de petróleo em várias economias africanas produtoras de matérias-primas.

“A produção petrolífera em Angola estabilizou em outubro, mas manteve-se muito baixa pelos padrões recentes; se os volumes de produção ficarem estáveis em novembro, então prevemos que as exportações de petróleo tenham provavelmente caído cerca de 20%, ou 700 milhões de dólares, o que equivale a 0,6% do PIB”, lê-se no relatório enviado aos investidores, e a que a Lusa teve acesso.

A produção petrolífera de Angola caiu do equivalente a 3.780 milhões de dólares (3.325 milhões de euros), em outubro, para 3.050 milhões de dólares (2.683 milhões de euros) em novembro, precisou à Lusa um dos analistas que escreveu o relatório, acrescentando que na Nigéria a queda ainda foi maior, passando de 4.400 milhões de dólares (3.872 milhões de euros) para 3.300 milhões de dólares (2.900 milhões de euros).

Mesmo com esta queda em Angola, sublinham os consultores no relatório, “as receitas petrolíferas foram provavelmente mais elevadas em novembro deste ano do que há um ano”, mas o problema é que “uma descida nas receitas pressiona ainda mais a moeda local, que continuou a desvalorizar-se” em novembro.

Mesmo antes da queda nos preços do petróleo, as reservas em moeda externa caíram para o valor mais baixo da década, para 11.600 milhoes de dólares (10.200 milhões de euros), notam os consultores.

O Governo de Angola tem acompanhado de perto a queda dos preços do petróleo, e o próprio Presidente admitiu que o petróleo mais barato é “mau” para o segundo maior produtor petrolífero no continente africano, podendo levar a uma aceleração do programa de privatizações.

“Nós temos um calendário de privatizações que (…) pode vir a ser influenciado caso o preço do barril de petróleo siga esta tendência baixista. Se seguir essa tendência baixista, com certeza que o calendário deverá ser ajustado com mais facilidade”, explicou João Lourenço durante a recente visita de Estado a Portugal, admitindo que o processo venha a ser mais rápido.

A produção de petróleo bruto em Angola deverá cifrar-se em 2019 nos 573 milhões de barris, garantindo receitas fiscais para o Estado de 5,158 biliões de kwanzas (14.600 milhões de euros), segundo a previsão do Governo.

De acordo com dados do relatório de fundamentação da proposta de OGE para 2019, em discussão na Assembleia Nacional angolana até dezembro, o Governo estima a exportação de cada barril de crude a um preço médio a 68 dólares, face aos 50 dólares inscritos nas contas de 2018.

Na previsão do Governo, a produção média diária de petróleo bruto em 2019, em Angola, será de 1,57 milhões de barris — em linha com a média dos últimos dois anos -, acrescida de 100.000 barris diários de LNG (gás natural).

Angola é o segundo maior produtor de petróleo em África, atrás da Nigéria, e tem vindo a apresentar um declínio de produção em alguns campos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)