A cidade de Lisboa terá, até 2020, todas as freguesias cobertas pelo estacionamento pago gerido pela EMEL, garante o presidente da empresa, Luís Natal Marques. Em entrevista ao Jornal de Negócios, o responsável diz que é impossível a cidade acomodar, “além dos 200 mil veículos dos residentes, os 370 mil que chegam” todos os dias e pede parques de estacionamento dissuasores na periferia da cidade e, por outro lado, transportes públicos de qualidade e a baixo preço.

Natal Marques, que diz que tem a “grande aspiração é tornar a EMEL a empresa mais amada de Lisboa”, defende que “o problema do estacionamento em Lisboa não existe porque quem cá mora o cria. É nos 370 mil que diariamente entram que está o principal problema”, acrescenta o responsável.

Para que as pessoas não tragam o veículo para a cidade, porém, “há necessidade de criar alternativas”: “transportes públicos em melhores condições e mais apetecíveis, até do ponto de vista do preço”. Fazem falta, também, mais “parques dissuasores que, estando situados na periferia e junto dos grandes nós de transporte público, levem a que as pessoas decidam estacionar aí e entrarem na cidade num meio de transporte mais limpo e mais rápido”.

Na mesma entrevista ao Jornal de Negócios, o presidente da EMEL confirmou que o objetivo da empresa, tal como foi definido em julho de 2017 na Assembleia Municipal de Lisboa, é fazer com que “a área de intervenção da empresa coincida com todo o município”.

É natural que a empresa vá criando condições para que chegue a todo o município. Quando resolvemos o problema de uma freguesia, tarifando o estacionamento, quem não quer pagar acaba por ir para a freguesia ao lado, e aí temos também essa freguesia a reclamar a nossa presença”.

A EMEL conta criar, a cada ano, 20 mil novos lugares de estacionamento tarifado, para fazer a “cobertura da totalidade da cidade”. A empresa está “agora em processo de avançar para a junta de freguesia dos Olivais, temos também a questão do Lumiar e São Domingos de Benfica, que têm a ver com pedidos dos próprios presidentes de junta”.