Presidência da República

Nova presença do Papa “seria magnífica notícia para Portugal, mas é preciso esperar”

Em causa está a realização em Portugal das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) em 2022. O Presidente da República defende que é necessário aguardar pela "palavra do papa Francisco".

Marcelo Rebelo de Sousa reiterou: "Isso a palavra é do papa Francisco e ele não a dará antes do Panamá, antes das Jornadas de janeiro, vamos esperar"

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

O Presidente da República considerou esta segunda-feira que “seria uma magnífica notícia” a realização em Portugal das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) em 2022, mas disse que é necessário aguardar pela “palavra do papa Francisco”, que preside a esta iniciativa.

Questionado, à margem de mais uma sessão da iniciativa “Jornalistas no Palácio”, sobre a notícia avançada no sábado pelo site Religionline de que as JMJ de 2022, presididas pelo papa, se vão realizar em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa deu uma resposta prudente.

“Isso a palavra é do papa Francisco e ele não a dará antes do Panamá, antes das Jornadas de janeiro, vamos esperar”, afirmou, sem confirmar se ele próprio estará presente nesse evento. “Seria uma magnífica notícia para Portugal, mas vamos esperar se se confirma porque há mais candidatos”, acrescentou o chefe de Estado.

A Religionline, que cita “várias fontes eclesiásticas”, afirma que o anúncio oficial será feito no Panamá, nas próximas JMJ, que decorrem de 23 a 27 de janeiro, e nas quais estará presente o cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, e outros bispos portugueses, para receberem a passagem de testemunho do papa e do bispo da Cidade do Panamá. Segundo a mesma fonte, neste fim de semana de celebração participa “cerca de um milhão de jovens de todo o mundo”.

O cardeal-patriarca de Lisboa oficializou o pedido para receber a JMJ no final de 2017 e desde 2012 que em várias reuniões do Conselho Pontifício para os Leigos (CPL), do Vaticano, a hipótese de Portugal tem estado a ser pensada, segundo o site.

As anteriores edições da JMJ realizaram-se em Colónia, na Alemanha, em 2005, Sidney, na Austrália, em 2008, em Madrid, em 2011, com o papa Bento XVI, no Rio de Janeiro, em 2013, e em Cracóvia, na Polónia, em 2016, com o atual pontífice.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Os imutáveis /premium

Maria João Avillez

Nunca ocorre à esquerda avaliar o adversário pelo mérito, a responsabilidade, a iniciativa, o currículo, mas sempre só pelo insulto político ou o acinte pessoal. Caramba.

António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)