Petróleo

Petróleo Brent em forte alta sustentado por trégua entre Washington e Pequim

O barril de petróleo Brent para entrega em fevereiro estava a cotar-se a 61,90 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, mais 5,4% que no fim da sessão anterior.

A subida do preço do petróleo estava a ser sustentada pela decisão tomada este fim de semana pelos Estados Unidos e pela China de suspenderem a imposição de taxas aduaneiras enquanto negoceiam um acordo comercial

ROMAN PILIPEY/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O barril de petróleo Brent para entrega em fevereiro estava esta segunda-feira de manhã em forte alta, a cotar-se a 61,90 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, mais 5,4% que no fim da sessão anterior. A subida do preço do petróleo estava a ser sustentada pela decisão tomada este fim de semana pelos Estados Unidos e pela China de suspenderem a imposição de taxas aduaneiras enquanto negoceiam um acordo comercial.

A decisão adotada neste fim de semana na cimeira do G20 em Buenos Aires entre Washington e Pequim contribuiu para que o preço do petróleo Brent, de referência na Europa, tenha começado a semana com uma subida de 5,8%, para 62,14 dólares, apesar de na sexta-feira ter terminado a 58,71 dólares, um mínimo deste ano.

O anúncio da saída do Qatar da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em janeiro também contribuiu para a subida desta segunda-feira do preço do petróleo. O preço do petróleo Brent chegou a terminar num máximo de 84,98 dólares em 1 de outubro.

Na próxima quinta-feira realiza-se em Viena a reunião da Rússia e da OPEP, que segundo analistas, poderia resultar num corte da produção. O ministro da Energia do Qatar, Saad al Kaabi, comunicou esta segunda-feira que o Qatar sairá da OPEP em janeiro porque quer concentrar-se no negócio do gás, tendo em conta que é o maior exportador de gás natural do mundo.

O ministro declarou que a decisão de abandonar a OPEP “não tem que ver com o bloqueio” económico que a Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos (EAU), Bahrein e Egito impuseram contra Doha desde junho de 2017.

O Qatar cortou as relações diplomáticas com os vizinhos da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito desde junho de 2017, porque estes quatro países acusam Doha de patrocinar o terrorismo. O Qatar, que é membro da OPEP desde 1961, produz cerca de 128.645 milhões de metros cúbicos de gás natural por ano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)