Portugal mantém quatro escolas de negócios entre as 95 melhores da Europa, com a Católica Lisbon School of Business & Economics a manter-se como a melhor portuguesa nos Rankings Globais do Financial Times. No entanto, a Católica cai duas posições em relação ao ano anterior, movimento em que é acompanhada por todas as universidades portuguesas presentes nesta lista, exceto pela ISCTE Business School. Esta instituição de ensino superior subiu 17 posições e, no ranking global, protagonizou a quarta subida mais expressiva.

A estas duas escolas de negócios portuguesas somam-se a Nova SBE e a Porto Business School. Com estas quatro universidades a surgirem na lista do Financial Times, Portugal torna-se o 5.º país com mais escolas de gestão representadas no ranking que continua a ser liderado pela London Business School.

Há uma década que, na classificação feita pelo jornal Financial Times, a Católica é considerada a melhor escola de negócios de Portugal. Este ano, na classificação global, surge na 28.ª posição, uma descida em relação ao 26.º lugar que ocupava no ranking de 2017.

Congratulando-se com os resultados alcançados, a direção da Católica aponta para os resultados visíveis na empregabilidade dos seus alunos. “É motivo de grande orgulho verificar o impacto positivo daquilo que fazemos, e como a excelência e a qualidade do ensino e investigação da nossa escola, são rampa de lançamento de um brilhante futuro profissional dos nossos alunos, o que nos torna também na sua primeira escolha para formação enquanto executivos”, sublinha, em comunicado, Nuno Fernandes, diretor da Católica Lisbon School of Business & Economics.

“Igualmente importante é a confiança do mercado de trabalho nos nossos graduados, que se manifesta em valores de empregabilidade ímpares — 92% dos alunos colocados no mercado de trabalho nacional e internacional em menos de 3 meses, bem como nos níveis de progressão de carreira num prazo de 3 anos (9.º lugar a nível mundial)”, lê-se ainda no comunicado da Católica.

Depois da Católica, surge a Nova School of Business and Economics que em 2018 alcança o 30.º lugar (estava em 25.º no ano anterior), seguindo-se a Porto Business School (cai de 59.º lugar para o 62.º).

Apesar da queda, Daniel Traça, dean da Nova SBE, lembra que nos últimos sete anos a escola quadruplicou a sua procura nos seus mestrados, sendo já 40% deles internacionais. Em comunicado, o responsável pela instituição de ensino superior diz acreditar que a mudança para o novo campus em Carcavelos “promete um futuro de melhoria, um futuro que irá reforçar a principal missão de atrair talento, produzir e partilhar conhecimento”.

A última escola de negócios a aparecer é também a única que consegue uma subida no ranking, de 17 lugares, só tendo sido ultrapassada na subida por três escolas europeias. Assim a ISCTE Business School sobe da 80.ª posição para a 63.ª.

“Esta distinção culmina um ano de sucesso ao nível dos FT Rankings, depois da escola ter alcançado, em junho, a 27.ª posição na lista dos melhores mestrados em Finanças e, em setembro, a 77.ª posição na lista dos melhores mestrados em Gestão”, escreve a direção do ISCTE, em comunicado.

“Muitos fatores têm contribuído para esta afirmação internacional, mas não podemos esquecer que a IBS é a única escola de gestão pública, acreditada internacionalmente, no concelho de Lisboa, tirando o máximo partido da atratividade atual da cidade“, conclui o diretor José Paulo Esperança, citado no comunicado de imprensa.