Negociações de Paz

Conversações de paz sobre o Iémen consideradas decisivas para acabar conflito

As conversações de paz, na Suécia, sobre o Iémen são uma oportunidade "decisiva" para acabar com o conflito que dura há quatro anos, desde que os rebeldes Huthis tomaram o controlo de Sana.

A guerra no Iémen começou no final de 2014, quando os rebeldes Huthis tomaram o controlo de Sana. O conflito generalizou-se em março 2015 com uma intervenção de uma coligação liderada pela Arábia Saudita

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os Emirados Árabes Unidos, um importante ator na guerra do Iémen, disseram esta terça-feira que as conversações de paz, na Suécia, sobre o Iémen são uma oportunidade “decisiva” para acabar com o conflito que dura há quatro anos.

“Acreditamos que a Suécia oferece uma oportunidade decisiva para conseguir uma solução política para o Iémen”, escreveu na rede social Twitter o ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros dos Emirados Árabes Unidos, Anwar Gargash.

O chefe do Comité Revolucionário Supremo, o órgão executivo dos Huthis, Mohamed Ali al-Houthi, disse na quinta-feira que os rebeldes pretendem ir para a ronda de contatos de paz que a ONU está a organizar na Suécia, ainda sem data precisa, se forem cumpridas algumas condições. Uma das condições é a retirada dos combatentes feridos do país.

Na segunda-feira, a coligação árabe liderada pela Arábia Saudita anunciou que permitirá a retirada de um grupo de 50 rebeldes feridos, que serão levados num voo da ONU para Omã.

Os Huthis não compareceram à última ronda de consultas de paz, convocada pela ONU em setembro passado, em Genebra, porque exigiam que a transferência de combatentes feridos para tratamento médico fosse facilitada, entre outras razões.

A guerra no Iémen começou no final de 2014, quando os rebeldes Huthis tomaram o controlo de Sana e o conflito generalizou-se em março 2015, com uma intervenção de uma coligação liderada pela Arábia Saudita, agindo em nome do Governo do Presidente iemenita Abdo Rabu Mansur Hadi.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Relações Internacionais

O reencontro das Coreias

Diana Soller

Podemos estar a assistir a um momento histórico: as duas Coreias divididas pelo Paralelo 38, herdado da guerra de 1950-1953 podem estar prestes a seguir rumo a uma paz que vem com 65 anos de atraso.

Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)