Rádio Observador

Assédio Sexual

“Cultura de Assédio”. Funcionários da Ted Baker acusam CEO da empresa de abraços forçados

Fundador da Ted Baker foi acusado por centenas de funcionários de exigir "abraços forçados" e promover "uma cultura de assédio". Há relatos de carícias no pescoço e convites para filmes de sexo.

A Ted Baker é uma empresa de roupa e acessórios de luxo criada em 1988, em Glasgow

Astrid Stawiarz

Mais de 200 funcionário da Ted Baker lançaram uma petição contra Ray Kelvin, o presidente executivo e fundador da empresa de roupa de luxo. As principais queixas dos colaboradores são a “cultura de assédio” promovida pela empresa e os “abraços forçados” nos escritórios, avança o Washington Post. A empresa defendeu-se a dizer que “os abraços fazem parte da cultura da Ted Baker, mas não são forçados”.

Segundo os funcionários, o departamento de recursos humanos ignorou completamente as queixas que recebia contra esta cultura e os atos de Ray Kelvin. Por isso, decidiram lançar uma petição para se defenderem e dar a conhecer as suas acusações.

Vários trabalhadores da empresa referem que Kelvin tirava a t-shirt nos escritórios, falava abertamente da sua vida sexual e acariciava os pescoços das pessoas. As queixas levaram as ações da Ted Baker a descer 15%.

Um dos relatos que surge na petição é o de uma funcionária que, quando tinha 21 anos, garante que Kelvin lhe massajou as costas e a beijou no pescoço. Há relatos ainda piores, de outras colaboradoras, que afirmam que o executivo pedia às funcionárias para se sentarem ao seu colo e as convidava no meio do escritório para participarem em filmes pornográficos com o executivo.

A questão dos “abraços forçados” é várias vezes referida e, segundo a petição, os recursos humanos da empresa justificavam as queixas com a frase: “é como ele [Ray Kelvin] é”.

Ray Kelvin tem 62 anos e fundou a Ted Baker em 1988, em Glasgow, na Escócia. Atualmente, é uma das mais reconhecidas marcas de acessórios de luxo, com presença em todo o mundo. As queixas levaram a empresa a iniciar uma investigação independente às alegações feitas na petição.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)