Estados Unidos da América

Enviado dos EUA no Paquistão para negociar o fim da guerra no Afeganistão

Um enviado norte-americano chegou esta terça-feira ao Paquistão para se reunir com a liderança política e militar do país com o intuito de negociar o fim da guerra com o Afeganistão.

JAWAD JALALI/EPA

O Representante Especial dos EUA para a Reconciliação do Afeganistão chegou esta terça-feira ao Paquistão para se reunir com a liderança política e militar do país para tentar levar o movimento talibã a negociar o fim da guerra no Afeganistão.

A visita acontece um dia depois do Presidente dos EUA, Donald Trump, ter escrito uma carta ao primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, pedindo a sua cooperação.

A carta de Trump chegou duas semanas depois de o Presidente dos EUA ter escrito um ‘tweet’ acusando o governo paquistanês de ter abrigado Osama bin Laden, o líder da Al Qaeda, apesar de receber milhões de dólares de ajuda do governo norte-americano.

O enviado norte-americano também viajará para o Afeganistão, Rússia, Uzbequistão, Turcomenistão, Bélgica, Emirados Árabes Unidos e Catar, num esforço para encontrar um fim pacífico para a guerra do Afeganistão.

Os Estados Unidos e o Afeganistão há muito acusam o Paquistão de fechar os olhos aos talibãs, cuja liderança está baseada naquele país.

Islamabad diz que tem pouca influência sobre o movimento radical, mas que vai desempenhar um papel para a paz no Afeganistão.

A guerra no Afeganistão começou em 2001, a seguir ao ataque terrorista de 11 de setembro, e, de acordo com organizações internacionais, já fez mais de 70 mil vítimas mortais, incluindo a morte de mais de dois mil soldados americanos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)