Rádio Observador

Rating

Moody’s reafirma ‘ratings’ da banca mas alerta para impacto de nova lei

Para a agência de 'rating', caso as alterações à lei sejam aprovadas, a futura insolvência de bancos poderá ser mais aparatosa e isso resultar em "'ratings' mais baixos para a dívida portuguesa

ANDREW GOMBERT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Moody’s manteve os ‘ratings’ dos bancos portugueses, mas mudou para negativo vários ‘outlooks’ (perspetivas), devido à “implementação de um novo enquadramento legal” que dá preferência aos depositantes sobre os investidores em caso de resolução.

Para a agência de ‘rating’, caso as alterações à lei sejam aprovadas, a futura insolvência de bancos poderá ser mais aparatosa e isso resultar em “‘ratings’ mais baixos para a dívida portuguesa sénior não garantida e por isso a Moody’s mudou o ‘outlook’ para negativo nestes instrumentos, em muitos casos”.

A agência acredita, no entanto, que a obrigatoriedade de cumprir requisitos relativos a capitais próprios e ativos elegíveis no âmbito do enquadramento relativo à resolução bancária (no acrónimo inglês MREL – Minimum Requirements for Own Funds and Eligible Liabilities) poderá servir como contrapeso a esta medida e irá avaliar o impacto nos próximos 12 a 18 meses.

Assim, a Moody’s reafirmou o ‘rating’ da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Ba1 para os depósitos de longo prazo e dívida sénior não garantida a longo prazo. Mantém ainda um ‘outlook’ estável para estes depósitos e mudou a sua estimativa para a dívida sénior não estável para negativa.

No caso do BCP, a agência reafirmou os ‘ratings’ para os mesmos instrumentos em Ba3, com um ‘outlook’ que se mantém positivo, no caso dos depósitos. Para a dívida, a avaliação mudou de positiva para ‘em desenvolvimento’.

O Santander Totta viu serem reafirmados ‘ratings’ de Baa2 para os depósitos de longo prazo e de Baa3 para a dívida sénior não garantida de longo prazo. O ‘outlook’ dos depósitos mantém-se estável e o da dívida foi alterado de estável para negativo.

A Moody’s manteve também os ratings do BPI em relação aos depósitos em Baa1, de emissor a longo prazo em Baa2 e do seu programa sénior não garantido em (P)Baa2. O ‘outlook’ para os depósitos mantém-se estável e para a categoria de emissor de longo prazo mudou de estável para negativo.

No caso do Montepio, a agência reafirmou os depósitos a longo prazo em B3 e do seu programa sénior não garantido em (P)B3. O ‘outlook’ para os depósitos mantém-se positivo.

Para o Novo Banco, a Moody’s manteve todos os ‘ratings’ nos níveis correntes. O ‘outlook’ para o rating de Caa1 dos depósitos foi alterado para positivo e o da dívida sénior não garantida passou de ‘em revisão’ para negativo.

A Moody’s anunciou ainda que retirou todas as avaliações de ‘rating’ ao Banco BPI S.A. (ilhas Caimão) por “razões de reorganização”.

A agência levou a cabo esta revisão para refletir alterações à lei portuguesa, aprovadas em novembro, em Conselho de Ministros, que “reforçam a proteção dos depósitos bancários em caso de resolução ou insolvência de um banco”.

Em comunicado, o executivo detalhou que, com este diploma, estabelece-se uma “nova hierarquia de credores” que assegura “maior graduação à generalidade dos depósitos comparativamente com os restantes instrumentos financeiros, como por exemplo as obrigações, garantindo menor risco para os depositantes”.

Com esta lei, o comunicado do Governo garante que fica concluído “um importante passo no sentido do proteger os depósitos bancários e introduzir maior clareza e certeza jurídica no regime da resolução”.

Em outubro, a Moody’s subiu o ‘rating’ de várias instituições bancárias portuguesas, poucos dias depois de ter tirado Portugal do “lixo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)