Comida

Peru ou granola? Nesta cozinha há lugar para os dois

Chama-se Iara Kitchen e está ao dispor de quem procura levar uma alimentação mais saudável. Em vez de um chef, há uma nutricionista de serviço. Além de workshops, o espaço recebe jantares de Natal.

Em cima da mesa não encontrámos peru, rabanadas ou qualquer vestígio dos tradicionais fritos natalícios. Iara Rodrigues está longe de ser uma nutricionista de ideias radicais. A ementa deste brunch de Natal é mais uma alternativa às centenas de jantares corporativos que, nesta altura do ano, tomam conta das agendas de meio mundo. A consoada que se mantenha fiel à tradição, que a Iara Kitchen abriu portas para promover uma alimentação mais saudável nos restantes 364 dias do ano. “Festas são festas e aí sou uma tradicionalista. Além disso, os extremismos não valem de nada, se depois perdemos o devaneio, o lado social, o copo de vinho”, explica Iara ao Observador.

No novo espaço — uma cozinha equipada (e decorada) a rigor — há uma daquelas mesas à prova de famílias numerosas. Entre workshops, demonstrações (ou show cookings, se preferir) ou o simples aluguer do espaço para reunir amigos e colegas, muitos dos eventos vão acabar precisamente ali, à mesa. Há dois anos, Iara Rodrigues abriu a sua própria clínica de nutrição e bem-estar, em Paço de Arcos. Juntar-lhe um espaço para pôr em prática os conselhos e dicas dados dentro do gabinete era um sonho antigo. A nutricionista acredita que ir para a cozinha e pôr as mãos na massa faz toda a diferença na hora de optar por um estilo de vida mais saudável. Além de dar alternativas a hábitos alimentares menos saudáveis que mantemos diariamente, Iara introduz os seus clientes a novos ingredientes. A mesa de boas-vindas, no dia da inauguração, é o melhor exemplo.

Depois de abrir a sua própria clínica de nutrição, há dois anos, e de ter publicado três livros, Iara Rodrigues abre a Iara Kistchen © Rui Valido

“Uma alimentação saudável não é sinónimo de comida sem sabor”, explica a nutricionista. Ovos escalfados, queijo, fiambre de peru, salmão fumado e panquecas de manteiga de amendoim são a base da refeição. O húmus e o guacamole juntam-se na categoria de aperitivos, a fruta acompanha tudo e em qualquer momento da refeição. O pão é biológico, com cereais como espelta, aveia e cânhamo, e veio diretamente do restaurante Pachamama, em Lisboa. A granola é caseira, acompanhada por iogurte grego. Numa bandeja, as bolachas e bolos energéticos são o snack que fecha a refeição, com tâmaras, cacau, coco, spirulina e mais manteiga de amendoim entre os ingredientes.

“Os tradicionais jantares de Natal das empresas podem ser um brunch, uma oportunidade também de substituir as mesas carregadas de fritos e doces por opções mais saudáveis”, explica Iara Rodrigues. O mesmo se pode aplicar ao almoço do dia 25 de dezembro, uma refeição de excessos quando muito pouco apetite sobreviveu à noite anterior. Uma refeição mais leve pode resolver o problema e ainda combater o desperdício de comida.

Nutricionista há dez anos, Iara rejeita o conceito de dieta. Formou-se no Porto e trabalhou no serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Hospital de Santa Maria. Mais do que passar receitas, quis perceber ao fundo a relação dos seus pacientes com a comida. “Quando abri o meu consultório, trouxe a minha experiência de falar e de ouvir e o meu gosto em estar à mesa para a área da nutrição. Por isso é que trabalho com as pessoas ao nível do comportamento. Quero que as pessoas tomem uma atitude e vou dar-lhes trabalho. Nisso, não posso competir com as dietas de efeito rápido”, afirma.

Sem querer substituir as especialidades da mesa de Natal, a Iara Kitchen sugere receitas saudáveis que podem ser adicionadas a ementa da quadra © Rui Valido

Depois do brunch de Natal, os workshops também vão chegar às crianças. “Elas têm de provar e de manusear os alimentos para se convencerem. Além disso, as crianças introduzem hábitos em casa e nós também queremos ensinar os pais a usar novos ingredientes”, conta. O leque de temas é extenso e as sessões vão ser marcadas sempre às sextas-feiras, no final do dia, e aos sábados. Três horas de workshop, que poderá não ser dado por Iara no caso de temas mais específicos como cozinha macrobiótica ou vegan, varia entre os 65 e os 90 euros por pessoa. Já o aluguer do poderá ir dos 400 ao 1000 euros, consoante o serviço e o tempo pretendido.

Além das consultas e da nova cozinha, Iara também vai às compras com os seus pacientes. O serviço de personal shopper consiste em levá-los para o supermercado e em ensiná-los a escolher melhor os alimentos que levam para casa — aula pode ir da escolha do peixe mais fresco à decisão de privilegiar os produtos da época, diminuindo o número de químicos ingeridos nos alimentos. Saber ler os rótulos é igualmente essencial. Para Iara Rodrigues, é aí que começa uma verdadeira alimentação saudável.

Nome: Iara Kitchen
Morada: Rua Manuel Inácio, 7 A/B, Paço de Arcos
Telefone: 21 011 6410
Horário: Workshops acontecem às sextas-feiras e sábados

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)