Premier League

A noite de sonho de Diogo Jota acabou de vez com o pesadelo de Nuno (e passou-o para o Chelsea)

129

Wolverhampton não ganhava há seis jogos e começou receção ao Chelsea com mais um lance infeliz para complicar as contas mas virou tudo em quatro minutos com golos de Raúl Jiménez e Diogo Jota (2-1).

Diogo Jota apontou o primeiro golo na Premier League e carimbou a reviravolta dos Wolves na receção ao Chelsea

Getty Images

O arranque de sonho do Wolverhampton, que pelo meio teve a coroação de Nuno Espírito Santo como melhor treinador da Liga em setembro, começou a tornar-se tudo menos isso e as noites mal dormidas começavam a resvalar para os pesadelos com seis encontros consecutivos sem qualquer vitória e apenas um ponto. Aliás, puxando o filme atrás, mais parecia quase karma – tudo começou com uma derrota na receção ao Watford no mesmo dia em que o The Telegraph fez uma extensa reportagem sobre os segredos da grande revelação da Premier League e prosseguiu com Brighton & Hove Albion, Tottenham, Arsenal, Huddersfield e Cardiff. Dois meses depois, a equipa voltou a ganhar. E se calhar quando menos se esperava.

Sem grande margem de erro depois do triunfo na véspera do Manchester City, o Chelsea parecia apostado em somar novo triunfo apesar das alterações pontuais na equipa inicial e beneficiou também do último suspiro da autêntica lei de Murphy que apanhou os Wolves para se adiantar no marcador, com o remate de Loftus-Cheek a sofrer um desvio num defesa contrário e a enganar Rui Patrício, que já ia a caminho do outro lado da baliza. Apesar da boa entrada dos visitados, eram os blues que dominavam e iam na frente para o intervalo, naquela que parecia desenhar-se com mais uma vitória da formação de Sarri que só não saía mais reforçada porque o internacional português fizera a defesa da noite a remate de Willian.

Após cinco derrotas e um empate na Premier League, Nuno Espírito Santo voltou aos triunfos dois meses depois (Laurence Griffiths/Getty Images)

No entanto, bastariam apenas quatro minutos para mudar tudo. Literalmente, tudo. O Wolverhampton parece uma equipa talhada para aquecer motores no ataque apenas na segunda parte (três golos antes do intervalo, 12 depois) e virou o jogo em lances quase consecutivos de aproximação à baliza do Chelsea: primeiro foi Raúl Jiménez, avançado mexicano emprestado pelo Benfica, a receber um passe na área de Gibbs White descaído na direita e a fuzilar num lance onde Kepa pareceu mal batido (59′); depois foi Diogo Jota, numa jogada que começa numa recuperação de bola de João Moutinho a William numa zona mais adiantada, a empurrar ao segundo poste sozinho após cruzamento rasteiro de Doherty (63′).

Seis jogos depois, os Wolves – que tiveram Rui Patrício, Moutinho, Rúben Vinagre e Jota como titulares, entrando depois os também portugueses Hélder Costa e Ivan Cavaleiro – conseguiram mesmo regressar aos triunfos e consolidaram um lugar a meio da tabela (12.º) com 19 pontos, menos três do que os oitavos Leicester e… Manchester United. Já os blues, que tiveram um Hazard abaixo do normal, aguentaram o quarto lugar mas já a dez pontos do City e a oito do Liverpool. Tudo com um golo de Diogo Jota, o primeiro da temporada pela equipa e na Premier League depois dos três que marcara na Seleção Sub-21.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)