Rádio Observador

Hospital de São João

Abaixo-assinado pela “urgência” da ala pediátrica do S. João juntou 27 mil assinaturas

O abaixo-assinado para a construção da nova ala pediátrica do Hospital S. João, no Porto, reuniu 27 mil assinaturas. Agora, será entregue ao Governo, Parlamento e ao Presidente da República.

O movimento cívico informal "Pelo Joãozinho" reuniu 27 mil assinaturas entre 5 de setembro e 7 de dezembro de 2018

JOAO ABREU MIRANDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O abaixo-assinado para proclamar que é tempo de avançar de imediato com a construção da nova ala pediátrica do hospital São João, no Porto, juntou 27 mil assinaturas, anunciou esta quarta-feira um dos responsáveis.

O documento, iniciativa do movimento cívico informal “Pelo Joãozinho”, vai ser enviado ao Governo de António Costa, à Assembleia da República e à Presidência da República, de forma a lembrar a “justeza e urgência” desta obra, afirmou o porta-voz do movimento, Júlio Roldão, em conferência de imprensa.

A recolha de assinaturas decorreu entre 5 de setembro e 7 de outubro e, entre os signatários, destaque para o arquiteto Álvaro Siza Vieira, a cientista Maria de Sousa, o médico Manuel Sobrinho Simões, o presidente do FC Porto, os artistas e escritores Carlos Tê, João Bicker e Manuela Espírito Santo e o bastonário da Ordem dos Médicos, José Miguel Guimarães.

O abaixo-assinado vinca que é “tempo de agir”, romper o impasse e avançar de imediato com a construção da nova ala pediátrica. Júlio Roldão disse que a decisão unânime da Assembleia da República, a 27 de novembro, para a construção da ala pediátrica através do procedimento de ajuste direto, foi “um passo importante” para que sejam cumpridos os propósitos do abaixo-assinado.

“Por outras palavras, julgamos estarem criadas as condições para, tão logo ultimados os delineamentos de projeto, tão logo concretizadas as fases preparatórias da obra, possa ser um facto o início da construção da nova ala pediátrica, tal qual reclamado no abaixo-assinado que em boa hora empreendemos”, frisou.

O porta-voz do movimento manifestou “satisfação” pela iniciativa que permitiu que o “caso ala pediátrica” passasse da inação à ação.

Na sua opinião, esta movimentação, que envolveu pessoas do norte a sul do país, terá contribuído para que, a 19 de setembro, os ministros da Saúde e Finanças tenham assinado um despacho conjunto a desbloquear o processo e para que o primeiro-ministro tenha reafirmado a existência de verbas no Orçamento de Estado.

“Temos esperança de que o impasse na construção da nova ala pediátrica vai finalmente acabar e que as obras vão avançar com a máxima celeridade possível, sob a tutela do Governo e do Conselho de Administração do centro hospitalar, num quadro de investimento público no Serviço Nacional de Saúde”, ressalvou.

Júlio Roldão vincou que este movimento, que já cumpriu a sua missão, vai continuar “vigilante” a esta “causa”. Há dez anos que o hospital tem um projeto para construir uma ala pediátrica, mas desde então o serviço tem sido prestado em contentores.

O parlamento aprovou a 27 de novembro, por unanimidade, a proposta de alteração do PS ao Orçamento do Estado para 2019, de forma a prever o ajuste direto para a construção da Ala Pediátrica, cuja obra o diretor clínico do São João prevê arrancar em 2019 e concluir em 2021.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)