Angola

Ativista Rafael Marques é recebido esta quarta-feira pelo Presidente angolano

O ativista angolano Rafael Marques foi impedido na terça-feira de entrar numa reunião na presidência com organizações não-governamentais e da sociedade civil, para a qual estava convidado.

Rafael Marques era um dos líderes e representantes da sociedade civil angolana e estava previsto participar num encontro convocado por João Lourenço, com o objetivo de se analisarem "questões da atualidade"

Paulo Cunha/LUSA

O ativista angolano Rafael Marques é esta quarta-feira recebido pelo Presidente de Angola, depois de ter sido impedido na terça-feira de entrar numa reunião na presidência com organizações não-governamentais e da sociedade civil, para a qual estava convidado.

Num comentário no MakaAngola, jornal online liderado pelo ativista, Rafael Marques indicou ter sido “convidado” para uma “audiência privada” com o Presidente angolano, reunião aprazada para as 09h00.

“Através do seu diretor de gabinete, Edeltrudes Costa, o Presidente [João Lourenço] lamenta o incidente desta manhã, durante o qual fui impedido de entrar no palácio como integrante da delegação da sociedade civil. Estou a par das investigações em curso para o apuramento do sucedido e, como fiz notar, acredito na boa vontade do Presidente. Desse modo, será uma honra encontrar-me com ele amanhã [quarta-feira]”, lê-se numa nota no MakaAngola.

Rafael Marques era um dos líderes e representantes da sociedade civil angolana estava previsto participar num encontro convocado por João Lourenço, com o objetivo de se analisarem “questões da atualidade”. As várias organizações da sociedade civil consideraram na terça-feira “simbólico” e “um passo em frente” para a construção de um diálogo nacional o encontro com João Lourenço.

Entre os presentes, estiveram também o ativista e rapper luso-angolano Luaty Beirão, que se escusou a falar à imprensa, e representantes de cerca de uma dezena de instituições, como José Patrocínio, líder da associação religiosa OMUNGA, Alexandra Semeão, da Associação Handeka, Maria Lúcia Silveira, da Associação Justiça, Paz e Desenvolvimento (AJPD) e Belarmino Jelembe, da Ação para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA-A), que destacaram “a franqueza e respeito manifestados por João Lourenço”, salientando o facto de este tipo de encontro ser inédito em Angola.

Presentes estiveram também representantes da Fundação Open Society Angola, Associação Mãos Livres, Centro Cultural Mosaico, AMANGOLA e os Conselhos Nacional e Provincial da Juventude.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
França

Da fúria à revolta: a cidadania em armas.

Bernardo Marinho da Mata

Será que o movimento dos coletes amarelos resultará numa Revolução Europeia, como certos grupos acreditam? Possivelmente não, pois não haverá financiamento que os permita persistir em força no tempo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)