PSP

Vídeo mostra polícia a imobilizar homem que agrediu mulher grávida de nove meses

2.280

O homem ter-se-á colocado em cima da barriga da mulher grávida, tentando asfixiá-la. As agressões terão levado o agente da PSP que estava de folga a intervir. O agressor foi detido e libertado.

Os factos foram praticados pelas 13h20 numa rua de Alverca, no concelho de Vila Franca de Xira

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Uma grávida de nove meses foi agredida esta terça-feira, numa rua de Alverca, no concelho de Vila Franca de Xira, pelo companheiro. O homem, de 28 anos, foi detido por um agente do corpo de intervenção da Unidade Especial de Polícia (UEP) que se encontrava de folga. O momento da detenção foi captado em vídeo por pessoas que estavam no local. O suspeito foi, entretanto, libertado.

Várias testemunhas que se encontravam no local disseram à TVI que o homem deu duas chapadas à mulher e chegou mesmo a colocar-se em cima da barriga, tentando asfixiá-la. O vídeo mostra a mulher, de 32 anos, já estendida no chão e com as mãos a tapar a cabeça, depois das agressões. O homem — que assume estar alcoolizado — vai tentando aproximar-se da mulher e falando com ela e com outras pessoas que se encontravam no local.

[Veja o vídeo que mostra um polícia a imobilizar o agressor da mulher grávida]

Segundo fonte policial, em declarações à agência Lusa, tudo aconteceu às 13h20, na via pública, e presenciados por um agente do corpo de intervenção da UEP, que estava de folga, e que, naquele momento, circulava na estrada onde ocorriam as agressões. Este elemento da UEP parou a viatura em que seguia, “interveio em auxílio da vítima” através de um golpe das artes marciais (jiu jitsu) conhecido como mata-leão.  O agente aproximou-se pelas costas do agressor e fez-lhe uma chave com os braços em torno do pescoço, asfixiando-o até este perder os sentidos. Trata-se de uma técnica polémica, uma vez que, mal aplicada, pode resultar na morte de quem a sofre.

Depois de uns segundos inconsciente, o agressor levantou-se e ainda tentado agredir o polícia, chegando mesmo a danificar-lhe a viatura e a rasgar-lhe a roupa.

O agressor reagiu de forma agressiva contra o polícia, danificando a viatura particular do mesmo (com pontapés) e ainda lhe rasgou a roupa que vestia”, contou a mesma fonte.

A mulher foi transportada para o Hospital de Vila Franca de Xira, “com lesões graves”, mantendo-se ainda internada naquela unidade hospitalar. De acordo com a TVI, a vítima sofreu um descolamento da placenta, tendo entrado em trabalho de parto. Não terá sido a primeira vez que agressões entre o casal aconteceram. A mesma fonte adianta que há registo na PSP de outras três agressões.

A detenção viria a ser consumada na Esquadra da PSP de Alverca. O suspeito foi presente esta quarta-feira a um juiz de instrução criminal para primeiro interrogatório judicial, no Tribunal de Vila Franca de Xira, e aplicação de medidas de coação.

(Artigo atualizado às 14h53 de 6 de dezembro)

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Empresas

Accionista e operador de máquinas: bons amigos?

Rui Esperança

A perpetuação do modelo da melhoria dos resultados das empresas à custa dos salários baixos e do consequente enriquecimento dos accionistas tem de mudar. Sem as pessoas, as empresas são pouca coisa.

Abusos na Igreja

Mr. McCarrick, I presume? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Quando a Igreja castiga os clérigos pedófilos, com o máximo rigor que a lei canónica permite, age de acordo com o exemplo e a doutrina do seu divino Mestre.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)