Rádio Observador

PSP

Vídeo mostra polícia a imobilizar homem que agrediu mulher grávida de nove meses

2.280

O homem ter-se-á colocado em cima da barriga da mulher grávida, tentando asfixiá-la. As agressões terão levado o agente da PSP que estava de folga a intervir. O agressor foi detido e libertado.

Os factos foram praticados pelas 13h20 numa rua de Alverca, no concelho de Vila Franca de Xira

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Uma grávida de nove meses foi agredida esta terça-feira, numa rua de Alverca, no concelho de Vila Franca de Xira, pelo companheiro. O homem, de 28 anos, foi detido por um agente do corpo de intervenção da Unidade Especial de Polícia (UEP) que se encontrava de folga. O momento da detenção foi captado em vídeo por pessoas que estavam no local. O suspeito foi, entretanto, libertado.

Várias testemunhas que se encontravam no local disseram à TVI que o homem deu duas chapadas à mulher e chegou mesmo a colocar-se em cima da barriga, tentando asfixiá-la. O vídeo mostra a mulher, de 32 anos, já estendida no chão e com as mãos a tapar a cabeça, depois das agressões. O homem — que assume estar alcoolizado — vai tentando aproximar-se da mulher e falando com ela e com outras pessoas que se encontravam no local.

[Veja o vídeo que mostra um polícia a imobilizar o agressor da mulher grávida]

Segundo fonte policial, em declarações à agência Lusa, tudo aconteceu às 13h20, na via pública, e presenciados por um agente do corpo de intervenção da UEP, que estava de folga, e que, naquele momento, circulava na estrada onde ocorriam as agressões. Este elemento da UEP parou a viatura em que seguia, “interveio em auxílio da vítima” através de um golpe das artes marciais (jiu jitsu) conhecido como mata-leão.  O agente aproximou-se pelas costas do agressor e fez-lhe uma chave com os braços em torno do pescoço, asfixiando-o até este perder os sentidos. Trata-se de uma técnica polémica, uma vez que, mal aplicada, pode resultar na morte de quem a sofre.

Depois de uns segundos inconsciente, o agressor levantou-se e ainda tentado agredir o polícia, chegando mesmo a danificar-lhe a viatura e a rasgar-lhe a roupa.

O agressor reagiu de forma agressiva contra o polícia, danificando a viatura particular do mesmo (com pontapés) e ainda lhe rasgou a roupa que vestia”, contou a mesma fonte.

A mulher foi transportada para o Hospital de Vila Franca de Xira, “com lesões graves”, mantendo-se ainda internada naquela unidade hospitalar. De acordo com a TVI, a vítima sofreu um descolamento da placenta, tendo entrado em trabalho de parto. Não terá sido a primeira vez que agressões entre o casal aconteceram. A mesma fonte adianta que há registo na PSP de outras três agressões.

A detenção viria a ser consumada na Esquadra da PSP de Alverca. O suspeito foi presente esta quarta-feira a um juiz de instrução criminal para primeiro interrogatório judicial, no Tribunal de Vila Franca de Xira, e aplicação de medidas de coação.

(Artigo atualizado às 14h53 de 6 de dezembro)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)