Parlamento

Comissão parlamentar timorense quer aumento de orçamento para educação

O parlamento quer subir investimento do Estado timorense na Educação, previsto para 2019, por afirmar que este "é baixo", e que o Ministério Público contrate procuradores internacionais.

Parlamento de Timor

António Amaral/LUSA

O investimento do Estado timorense na Educação, previsto para 2019, “é baixo” e deve ser significativamente aumentado para garantir a qualificação dos recursos humanos do país, defendeu, num relatório, uma comissão parlamentar especializada.

A recomendação está presente no relatório e parecer final das comissões parlamentares especializadas sobre a proposta de lei do Orçamento Geral do Estado (OGE) timorense, que começou esta quinta-feira a ser debatido na especialidade.

“Parece-nos que, face às necessidades de recursos humanos qualificados, o investimento do Estado no setor da Educação é baixo”, indicou a comissão G, que lida também as questões da Saúde. “Nesta medida, exorta-se o Governo a tomar em consideração a necessidade de aumentar significativamente o orçamento para o setor da Educação e para o Ensino Superior”, recomendou.

No texto são tecidas duras críticas ao Ministério da Educação, considerando que há sérios problemas que continuam por resolver. Os autores do relatório e parecer sobre o OGE lembraram “como reparo e tema para reflexão” que Governo considerou a Educação como uma das cinco prioridades para 2019, algo que “os factos não confirmam”.

“Com efeito, (…) apenas 10% do OGE será direcionado para o setor da Educação, uma percentagem relativamente exígua, quando comparada por exemplo, com as propostas de gastos com serviços públicos gerais (16%), ou com assuntos económicos (47%)”, de acordo com o documento.

“Só com um investimento significativo conseguirá inverter a persistência de problemas em garantir recursos humanos timorenses suficientemente qualificados para abraçar os desafios do futuro”, referiu. Apesar das vontades gerais do Governo em “promover a educação e formação inclusiva de qualidade orientada para o mercado”, a comissão disse que “não conseguiu perceber de que forma esta prioridade se destaca” no OGE 2019. “Que programas inovadores, que iniciativas pretende o Governo tomar que façam destacar este setor”, questionou.

“Face às opções políticas que o Ministério Educação, Juventude e Desporto propõe na presente proposta de lei de orçamento, importa destacar que fica aquém das verdadeiras necessidades do país. A Educação é um setor central em todos os países e o investimento neste setor não nos parece suficiente”, considerou.

Entre as recomendações para o setor, a comissão destacou a “importância de fomentar o ensino e o fortalecimento das línguas oficiais, o tétum e a língua portuguesa, elementos determinantes para o sistema de ensino, para a consolidação da identidade timorense e para assegurar o acesso ao conhecimento”.

Responder aos “problemas graves no parque escolar, no que respeita às infraestruturas básicas das escolas e restantes estabelecimentos de ensino”, e corrigir os “sérios problemas com a produção e distribuição dos manuais escolares”, são outros temas que merecem atenção.

A comissão disse que a progressão profissional e estatuto dos professores contratados “não está clarificado”, causando “uma enorme desmotivação nestes profissionais, o que em nada contribui para o seu bom desempenho profissional”. “É por isso, com preocupação, que se assiste todos os anos a este problema e à total inação do Ministério da Educação, o que não se compreende”, sustentou.

Comissão parlamentar timorense recomenda que Ministério Público contrate procuradores internacionais

O Ministério Público timorense deveria “alinhar” a sua política com outros órgãos judiciais e ampliar a contratação de procuradores internacionais para reforçar as carências que se sentem atualmente no setor, defende uma das comissões especializadas do Parlamento Nacional.

A recomendação é outra das que estão incluídas no relatório e parecer final das comissões especializadas sobre a proposta de lei do Orçamento Geral do Estado (OGE). “A nossa recomendação à Procuradoria da República é no sentido de alinhar a sua prática nesta área à política traçada pelo Estado para o reforço das capacidades e desenvolvimento institucional do setor da Justiça”, refere a comissão A, que lida com assuntos da justiça, entre outros.

Na sua análise a comissão nota com “alguma preocupação” o facto de a dotação orçamental para assistência técnica do Ministério Público (MP), rubrica também destinada a pagar assessores internacionais, “não sofrerá aumento em relação a 2018”.

“Isto causou alguma preocupação à Comissão, uma vez que reflete a posição da Procuradoria-Geral da República de não aumentar o número de procuradores internacionais”, lê-se no relatório. “Este aumento iria no sentido da concretização da política do Estado Timorense de recorrer a juízes e procuradores internacionais para exercerem como mentores e como inspetores em ambas as magistraturas”, considerada.

Este tipo de medidas, refere, estão já previstas no regime transitório do recrutamento de magistrados e defensores públicos não timorenses. “A política refletida no citado diploma legal vem reafirmar esta visão e estratégia de construção e consolidação do nosso sistema judicial, os quais não podem, ainda, prescindir da assistência internacional, nomeadamente nas funções de inspeção”, recorda.

Como exemplo do “cumprimento desta política, que reflete a insofismável realidade das nossas carências como país novo e como Estado em construção”, a comissão refere-se às decisões de contratação do Conselho Superior da Magistratura Judicial.

Órgão “que ao contrário do Ministério Público, contratou 11 assessores internacionais”, nomeadamente dois juízes inspetores, dois juízes mentores, um assessor para o Tribunal de Recurso, quatro oficiais de justiça mentores, e dois auditores para Câmara de Contas”, acrescenta.

“Visto isto, nossa recomendação à Procuradoria da República é no sentido de alinhar a sua prática nesta área à política traçada pelo Estado para o reforço das capacidades e desenvolvimento institucional do setor da Justiça”, conclui.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
544

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)