Brasil

Investigadores franceses e brasileiros alertam para perigos da eleição de Bolsonaro

621

Com o tema "Eleições brasileiras: uma catástrofe anunciada", a conferência organizada pela APEB juntou dezenas de pessoas para discutir o futuro político e social do Brasil.

Joedson Alves/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Duas associações de investigadores brasileiros em França alertaram, esta quinta-feira, para os perigos que a eleição do futuro Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, representa no âmbito dos Direitos Humanos e em relação à “nostalgia da ditadura”.

“Considero que a eleição de Bolsonaro veio depois de pequenas catástrofes às quais temos assistido desde a destituição de Dilma [Rousseff, ex-chefe de Estado], ou mesmo as manifestações de 2013”, afirmou Luciana Araújo de Paula, investigadora brasileira no Instituto de Altos Estudos da América Latina, da Universidade de Sorbonne.

Para Luciana Araújo de Paula, “a eleição de Bolsonaro, um deputado que até há quatro meses era desconhecido, nostálgico da ditadura e gozado pelas outras bancadas parlamentares, é só a catástrofe maior”.

Com o tema “Eleições brasileiras: uma catástrofe anunciada”, a conferência, organizada pela Associação para a Pesquisa sobre o Brasil na Europa e pela Associação dos Pesquisadores e Estudantes Brasileiros na França (APEB), juntou dezenas de pessoas esta quinta-feira no Instituto de Altos Estudos da América Latina, em Paris, França, para discutir o futuro político e social do Brasil.

Para Marion Aubrée, antropóloga francesa especializada em religião e que foca os seus estudos na América do Sul, a influência das forças políticas evangélicas foi essencial para a eleição de Jair Bolsonaro, mas também uma soma de medos que assolam a sociedade brasileira.

“Desde logo, o medo da mobilidade social, porque a classe média brasileira nunca aceitou a ascensão dos pobres no Brasil, incluindo a sua entrada na universidade. Mas, também, o medo do outro. Não nos esqueçamos que os negros continuam a ser estigmatizados. E, por último, o medo do futuro que acaba por se cristalizar à volta da dimensão económica”, observou a antropóloga.

Segundo Marina Duarte, vice-presidente da APEB e historiadora que foca a sua investigação nos movimentos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgénero), o medo é cada vez mais real para as minorias sexuais no Brasil.

“O efeito desta eleição ainda não é conhecido em termos das instituições, mas há já ações reais dos apoiantes de Bolsonaro contra a comunidade LGBT. O impacto já está nas ruas e no aumento da violência contra as minorias sexuais”, salientou a investigadora, repetindo várias frases que o futuro chefe de Estado brasileiro proferiu publicamente contra os homossexuais.

Outro ponto que preocupa estes investigadores brasileiros e franceses é a recusa de um futuro Governo de Bolsonaro face ao multilateralismo e a rejeição dos tratados que promovem os direitos humanos.

“Para o próximo ministro dos Negócios Estrangeiros, Ernesto Araújo, o multilateralismo não tem valor e devia acabar. Araújo disse que as Nações Unidas são apenas uma plataforma de difusão para o marxismo cultural. Mesmo se agora estas posições estão mais moderadas, a inovação é que o Brasil pode sair de todos os órgãos das Nações Unidas ligados aos direitos humanos”, mencionou Bruno Gomes Guimarães, investigador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

A conferência tentou também enquadrar o quadro político brasileiro antes das eleições, as escolhas de Bolsonaro para as diferentes pastas e ainda de onde pode surgir uma oposição ao novo Presidente.

“Há uma reconfiguração à esquerda, que se está a confrontar com esta nova realidade. Há a reaproximação do Partido dos Trabalhadores (PT) aos partidos mais à esquerda, criando, possivelmente, uma frente de esquerda contra o autoritarismo do novo Governo”, concluiu Luciana Araújo de Paula.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)