Macau

Macau assina acordo de participação na iniciativa chinesa ‘Uma Faixa, uma Rota’

A assinatura do acordo foi sucedida pela primeira reunião conjunta, durante a qual foi destacada a importância da relação entre Macau e os países lusófonos.

CARMO CORREIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Macau assinou esta quinta-feira, na capital chinesa, um acordo no âmbito da iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”, que prevê a realização de reuniões conjuntas com Pequim de acompanhamento da participação do território no projeto.

O documento assinado entre o chefe do Executivo de Macau, Fernando Chui Sai On, e o diretor da Comissão Nacional para o Desenvolvimento e Reforma chinesa, He Lifeng, prevê a “criação de um mecanismo de reunião conjunta, servindo como plataforma de coordenação e articulação de promoção e implementação do acordo”, de acordo com um comunicado divulgado pelas autoridades.

Neste sentido, Pequim pretender ajudar Macau a “desenvolver as vantagens dos recursos locais, a proporcionar serviços de investimento e financiamento à iniciativa e a transformar-se numa plataforma entre a China e os países de língua portuguesa”.

A assinatura do acordo foi sucedida pela primeira reunião conjunta, durante a qual foi destacada a importância da relação entre Macau e os países lusófonos no impulso da iniciativa milionária de infraestruturas lançada pelo Presidente chinês, Xi Jinping.

Nas palavras de He Lifeng, “a população que os países da língua portuguesa representam e a relação especial e vantajosa de Macau com os mesmos, poderá produzir efeitos positivos no impulso da iniciativa nacional”, de acordo com um segundo comunicado.

Lançada por Xi Jinping, a iniciativa “Faixa económica da rota da seda e a Rota da seda marítima do século XXI”, mais conhecida como “Uma Faixa, Uma Rota”, está avaliada em 900 mil milhões de dólares e visa reativar as antigas vias comerciais entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
França

Da fúria à revolta: a cidadania em armas.

Bernardo Marinho da Mata

Será que o movimento dos coletes amarelos resultará numa Revolução Europeia, como certos grupos acreditam? Possivelmente não, pois não haverá financiamento que os permita persistir em força no tempo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)