Coroa Espanhola

O que se passa com o guarda-roupa de Letizia?

186

Primeiro foi o fato largo e amarrotado e o vestido informal que usou no Peru. Agora, o decote profundo e em renda que escolheu para um evento formal. O guarda-roupa de Letizia tem dado que falar.

Letizia e o marido Felipe fotografados por ocasião do concerto comemorativo do 40.º aniversário da Constituição

Pablo Cuadra/Getty Images

A recente visita dos reis de Espanha ao Peru foi amplamente discutida por causa das escolhas de guarda-roupa da rainha, que ora foi recebida por ministros usando um vestido pouco formal e com algum decote, ora saiu à rua com um fato de xadrez que lhe ficava bastante largo. As críticas referentes ao primeiro visual, encontradas nas redes sociais, destacavam ainda o aspeto do cabelo — “desgrenhado” e “despenteado”. Agora, é o decote de Letizia que, uma vez mais, faz títulos de notícia.

O ABC escreve que a rainha “arriscou” na passada quarta-feira ao escolher um vestido azul com um decote profundo e rendado em “v”. O visual foi estreado num concerto comemorativo do 40.º anversário da Constituição e entre os ilustres convidados estiveram nomes como Pedro Sanchez, presidente do governo espanhol, mas também os presidentes do Congresso e do Senado. A opção de Letizia, segundo o jornal já citado, é descrita como “surpreendente”.

Letizia surpreendeu pela escolha do vestido decotado. Pablo Cuadra/Getty Images

O decote no centro da polémica não é, na verdade, um decote real, uma vez que está coberto por uma aplicação de renda, mas não deixa de fugir ao padrão mais clássico facilmente associado a membros da realeza. A monarca espanhola tem quebrado ou contornado o protocolo real nos últimos aparecimentos em público. Esta quinta-feira de manhã foi, porém, uma exceção, com Letizia a sair em público com um vestido vermelho vivo da estilista Carolina Herrera — tonalidade que, segundo o El Español, é uma mensagem de claro apoio ao rei.

2018 não tem sido um ano particularmente fácil para a monarca: uma das cenas mais mediáticas aconteceu no fim da missa de domingo de Páscoa, este ano, quando Letizia se colocou em frente às filhas e à avó, a rainha emérita Sofia, impedindo um momento fotográfico entre as três, num episódio que ficou gravado por quem assistia. Felipe VI tentou depois mediar a comunicação entre as duas.

A relação de Felipe e Letizia tem estado na mira da imprensa. Consta que Juan Carlos terá pedido, por duas vezes, ao filho que se divorcie. Foi também este ano que a rainha recusou um gesto de cavalheirismo do marido e deixou-o à chuva à chegada dos reis à cerimónia de entrega dos Prémios da Fundação Princesa de Girona.

(Artigo atualizado às 12h54)

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
2.282

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)