Rádio Observador

Orçamento do Estado

Portugal deve habituar-se à “normalidade” de um défice “próximo do zero”

Com um défice próximo do zero em 2019, Portugal colocar-se-á numa situação normal nos outros países europeus. João Leão disse que situação é algo que acontecerá "pela primeira vez desde a democracia".

João Leão, secretário de Estado do Orçamento, falava no início de uma conferência sobre reforma das finanças públicas organizada pela Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC)

LUSA

O secretário de Estado do Orçamento destacou esta quinta-feira que, com um défice “próximo do zero” em 2019, Portugal colocar-se-á numa situação normal nos outros países europeus, considerando que é a esta “normalidade” que o país deve habituar-se.

João Leão falava no início de uma conferência sobre reforma das finanças públicas organizada pela Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), em colaboração com o Tribunal de Contas, o Instituto de Direito Económico Financeiro e Fiscal (IDEFF) e o Kazarian Center for Public Financial Management.

“Temos que habituar-nos a ter as contas públicas em ordem, porque essa é a situação de normalidade”, disse o governante destacando que o défice próximo de zero será algo que acontecerá “pela primeira vez desde a democracia”.

“Portugal passa também a poder estar pela primeira vez, desde que entrou na zona euro, com contas públicas numa situação de equilíbrio que lhe permite enfrentar eventuais abrandamentos da economia europeia sem automaticamente entrar em procedimento por défice excessivo, que foi o que aconteceu nas últimas duas vezes que a economia europeia abrandou”, explicou João Leão.

Na proposta de Orçamento de Estado para 2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. O executivo mantém ainda a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano (0,7% do PIB em 2018).

Sobre o tema da conferência, a reforma das finanças públicas em curso, João Leão falou sobre a necessidade de serem desenvolvidos novos sistemas de informação integrada no Estado, que estão “longe de ser” os ideais, exemplificando com a informação sobre as despesas com pessoal.

“O Estado vai descongelar carreiras e processos que vêm desde de 2011” e, ao nível de 2018 e 2019, “é a principal medida da rubrica despesas com pessoal, (…) mas não existe um único sistema, centralizado, que nos diga quanto ganha cada funcionário público e quanto o descongelamento das carreiras representa no seu ordenado”, exemplificou.

O Estado também não tem balanço consolidado, continuou. “Não sabemos exatamente o valor dos ativos, as responsabilidades implícitas já assumidas e isto é fundamental para se ter uma perceção das finanças públicas no país”, disse o governante.

Segundo o secretário de Estado, esta informação encontra-se dispersa e são precisas “várias semanas, por vezes meses” para ter estes dados fundamentais num processo político em que é necessário tomar decisões rápidas e imediatas, em que muitas vezes o que falta é “a boa informação”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política Económica

“A embriaguez da vitória…”

Jorge Silveira Botelho

Se continuarmos embriagados com a política social de “panem et circenses”, na próxima crise vamos acabar por ficar sem passes, sem transportes e sem dinheiro para saúde, para justiça e para educação.

Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)