Cinema

Quatro filmes para ver esta semana

Um filme de "zombies" musical e natalício, o novo Godard, o português "Parque Mayer" e "Silvio e os Outros", de Paolo Sorrentino, sobre Berlusconi, são as escolhas de Eurico de Barros esta semana

A jovem Anna (Ella Hunt) canta e foge dos "zombies" em "Anna e o Apocalipse", de John McPhail

Autor
  • Eurico de Barros

“Anna e o Apocalipse”

O que é que falta ainda fazer em termos de filmes e séries com “zombies”? Só mesmo um porno, porque já temos um musical, este “Anna e o Apocalipse”, realizado pelo britânico John McPhail, em que a adolescente do título (Ella Hunt) se vê no meio de um apocalipse “zombie” na sua cidadezinha, e em plena época natalícia, e procura manter-se viva, na companhia dos amigos e colegas do liceu, enquanto vai à procura do pai. Longe de ser um “Shaun of the Dead”, onde Edgar Wright conseguia a coexistência entre terror, humor negro e drama, “Anna e o Apocalipse” não passa de uma vulgar e estereotipada série B do género em registo “teen”, com uma série de canções enxertadas na história.

“O Livro de Imagem”

Já há muito tempo que Jean-Luc Godard se transformou numa caricatura de si mesmo, e no mais gritante caso de “o rei vai nu” do cinema contemporâneo. Em “O Livro de Imagem”, Godard vampiriza dezenas de filmes de outros realizadores para repetir os mesmos tiques, os mesmos truques, as mesmas imagens de arquivo e o mesmo chorrilho de referências culturalistas, com a mesma pretensão a dizer, de forma abstrusa e estilhaçada, coisas “importantes” sobre os tempos que vivemos (no caso presente, sobre o mundo árabe, o fundamentalismo islâmico e a guerra), mas que não passam de elucubrações vácuas, irrelevantes e profundamente aborrecidas. Que o ature quem ainda lhe presta vassalagem.

“Parque Mayer”

Por um lado, “Parque Mayer”, de António-Pedro Vasconcelos, é um filme sobre o teatro de revista na Lisboa dos anos 30; pelo outro, é um filme sobre a repressão político-social nos primeiros anos do Estado Novo, de que a revista à portuguesa também foi alvo. E “Parque Mayer” não satisfaz em nenhuma das duas frentes, porque a recriação do ambiente da revista pedia mais aparato de espectáculo e mais energia, e não é convincente em termos do tipo de humor praticado na época; e a pintura do antigo regime é preguiçosa e caricaturalmente reducionista, saída de um editoral do “Avante!” de há 40 anos — ou de uma revista do Teatro Àdoque do tempo do PREC.

“Silvio e os Outros”

Longe de estereótipos e caricaturas fáceis, confortáveis ou diabolizadoras sobre a figura de Silvio Berlusconi, “Silvio e os Outros”, de Paolo Sorrentino, não é um filme nem “por” nem “contra” aquele. Ou um filme “político” na aceção mais engajada da palavra. É um filme sobre Berlusconi como emanação e representação de uma certa Itália em profunda crise institucional, anímica e de valores, e de uma decadência tipicamente italiana (que Sorrentino tinha já mostrado em detalhe “A Grande Beleza”). Toni Servillo, o actor fétiche do realizador, interpreta Berlusconi nesta versão remontada para o mercado internacional dos dois filmes originais. “Silvio e os Outros” foi escolhido pelo Observador como filme da semana, e pode ler a crítica aqui.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Amigos improváveis e a solidão dos revolucionários

António Pimenta de Brito

O filme “Greenbook” é um hino a uma liberdade que pode fazer tudo, uma liberdade que, mesmo com condicionantes, não desiste das suas possibilidades, na busca pela felicidade, dignidade e amor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)