Rádio Observador

Literatura

Romance “A Última Viúva de África”, de Carlos Vale Ferraz, vence Prémio Fernando Namora

508

O romance "A Última Viúva de África", de Carlos Vale Ferraz, é o vencedor do Prémio Literário Fernando Namora/2018. No ano passado, o vencedor foi o romance "A Noite não é Eterna", de Ana Silva.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O romance “A Última Viúva de África”, de Carlos Vale Ferraz, é o vencedor do Prémio Literário Fernando Namora/2018, com o valor pecuniário de 15 mil euros, anunciou esta quinta-feira a Estoril-Sol, que o instituiu em 1987.

Este romance de Vale Ferraz demonstra como “a memória da experiência colonial pode ser aterradora”, lê-se na ata do júri, ao qual presidiu Guilherme d’Oliveira Martins, indica o comunicado da organização, enviado à agência Lusa.

“O ex-Congo Belga e Angola constituem neste romance o eixo geopolítico de ações de guerra e desvarios humanos no qual uma mulher, ‘Madame X’, emerge, simultaneamente, como figura de ligação da estória do romance e da História dos anos 1960, no início da guerra nacionalista”, das ex-colónias europeias em África, refere o júri.

Além de Guilherme d’Oliveira Martins, o júri desta 21.ª edição do Prémio Literário Fernando Namora contou com José Manuel Mendes, pela Associação Portuguesa de Escritores, Manuel Frias Martins, pela Associação Portuguesa dos Críticos Literários, Maria Carlos Loureiro, pela Direção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas, Maria Alzira Seixo e Liberto Cruz, convidados a título individual, e com Nuno Lima de Carvalho e Dinis de Abreu, pela Estoril-Sol.

Carlos Vale Ferraz, pseudónimo literário de Carlos de Matos Gomes, nasceu a 24 de julho de 1946, em Vila Nova da Barquinha, no Ribatejo, e foi oficial do Exército, tendo cumprido várias comissões militares em Angola, Moçambique e Guiné-Bissau. Algumas das suas obras refletem esta realidade histórica, e foram adaptadas ao cinema e à televisão, entre as quais “Nó Cego”, romance publicado pela primeira vez em 1982, e reeditado recentemente.

O autor colaborou com a atriz e realizadora Maria de Medeiros no argumento do filme “Capitães de Abril” (2000), realizado pela cineasta.

Na área da História Contemporânea, e assinando como Carlos de Matos Gomes, é coautor, com Aniceto Afonso, dos livros “Guerra Colonial”, “Os Anos da Guerra Colonial” e “Portugal e a Grande Guerra”.

O título “A Última Viúva de África” foi publicado pela Porto Editora, no ano passado.

Segundo a editora, a narrativa partiu “da história real de uma mulher portuguesa que não quis abandonar a sua nova pátria”, o ex-Congo Belga, e “o autor procura compreender as linhas do processo africano de descolonização”.

A protagonista é Ana Oliveira, natural do Minho, que, na década de 1950, decidiu emigrar para África, onde foi “conhecida, nesses tempos, por ‘Madame X’, pelas autoridades portuguesas, para quem trabalhava como informadora, e por Kisimbi, a ‘mãe’, pelos mercenários que combatiam em prol da secessão de Catanga [província no sul da atual República Democrática do Congo]”. “Ela permanece uma figura misteriosa, que ganha contornos bem definidos neste romance”, afirma a editora.

Ana Oliveira, por opção sua, permaneceu na antiga colónia belga do Congo após a independência, declarada em 1959.

“Gente Feliz com Lágrimas”, de João de Melo, foi o vencedor da primeira edição do Prémio Fernando Namora, em 1989.

No ano passado, o vencedor foi o romance “A Noite não é Eterna”, de Ana Cristina Silva.

Urbano Tavares Rodrigues, Mário Cláudio, Teolinda Gersão e Mário de Carvalho, ambos por duas vezes, José Eduardo Agualusa, Luísa Costa Gomes, Maria Isabel Barreno, António Lobo Antunes e Nuno Júdice são alguns dos autores que já venceram este galardão.

O Prémio Literário Fernando Namora/2018 “será entregue oportunamente em cerimónia a anunciar”, afirma a Estoril Sol.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)