Guiné-Bissau

Governo da Guiné-Bissau condena polícia por impedir entrada de técnicos nigerianos no GTAPE

O Governo decidiu também instituir uma "comissão de inquérito para o apuramento das circunstâncias que determinaram a atuação dos agentes de segurança e eventuais responsabilidades".

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Governo guineense condenou esta sexta-feira a atitude das forças de segurança do país, que impediram três técnicos nigerianos de entrar no Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GTAPE), e vai abrir um inquérito à atuação da polícia.

Num comunicado divulgado à imprensa, o Governo “condena firmemente a atitude das forças de segurança que impediram a entrada de técnicos da Nigéria”.

O Governo esclareceu que os técnicos se encontram no país “por solicitação de sua excelência o Presidente da República com o propósito de participarem na configuração e parametrização do servidor doado pelo Governo de Timor-Leste para a consolidação dos dados do recenseamento eleitoral e consequente viabilização e produção dos cadernos eleitorais, conferindo assim maior fiabilidade ao processo de registo de eleitores”.

O Governo esclarece também que se tratou de uma “atuação fora do quadro legal, que não resultou de instruções nem do Presidente da República, nem do primeiro-ministro”.

Para o Executivo guineense o facto evidencia “desmando e anarquia na manutenção de um clima de ordem e segurança tão necessárias numa instituição como a GTAPE”.

O Governo decidiu também instituir uma “comissão de inquérito para o apuramento das circunstâncias que determinaram a atuação dos agentes de segurança e eventuais responsabilidades”.

Na quarta-feira, a polícia guineense impediu que três técnicos nigerianos prestassem colaboração a peritos locais na configuração do servidor em que estão os dados do recenseamento eleitoral.

Fonte do comissariado da polícia indicou à Lusa que a ordem de retirada aos técnicos nigerianos das instalações do GTAPE foi dada pelo Ministério Público.

Por volta das 20:00 de quarta-feira, a polícia entrou nas instalações do GTAPE, no centro de Bissau, dando ordens para que os técnicos nigerianos abandonassem o local.

A pedido do Governo guineense, a Nigéria mandou fazer ?kits’ de registo biométrico, que estão a ser usados no recenseamento eleitoral na Guiné-Bissau, mas vários setores políticos têm vindo a questionar a fiabilidade do processo, levantando dúvidas sobre a real colaboração dos nigerianos.

Na quinta-feira ao final do dia, o Ministério Público decidiu mandar suspender o recenseamento eleitoral e bloquear as entradas no GTAPE, na sequência de uma queixa por alegadas irregularidades no processo eleitoral, apresentada por um grupo de partidos políticos, e que está a investigar.

Uma decisão já considerada ilegal pelo Governo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

A Terra É De Quem a Trabalha

João Pires da Cruz

Preocupa-me menos o facto de os chineses serem os “donos disto tudo” do que quando os “donos disto tudo” eram outros. O que me preocupa é o facto de termos feito zero para não haver “donos disto tudo”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)