Vitória de Guimarães

Luís Castro quer vencer o Rio Ave para se aproximar do Benfica

O treinador do Vitória de Guimarães afirmou que a equipa quer vencer um teste de "exigência máxima" com o Rio Ave, da 12.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, e aproximar-se do quarto lugar.

Luís Castro, o treinador do Vitória de Guimarães

RUI FARINHA/LUSA

O treinador do Vitória de Guimarães, Luís Castro, afirmou esta sexta-feira que a equipa quer vencer um teste de “exigência máxima” com o Rio Ave, da 12.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, e aproximar-se do quarto lugar.

Os vimaranenses igualaram os 18 pontos dos vila-condenses na ronda anterior, após o triunfo sobre o Desportivo de Chaves (1-0), e atingiram a quinta posição, mas o técnico disse que não encara o próximo jogo como uma hipótese de fugir ao Rio Ave, preferindo apontar a uma aproximação ao quarto posto, ocupado pelo Benfica, com 23 pontos.

“A nossa dinâmica mental é a de olhar sempre para cima. Não olhamos para este jogo como uma possibilidade de ganhar vantagem sobre o Rio Ave, mas como uma forma de encurtar pontos para o quarto lugar, porque estamos em quinto. Se estivéssemos em 10.º, olhávamos na perspetiva de ultrapassar o nono”, disse na conferência de antevisão ao jogo de domingo, às 17h30, em Guimarães.

Convicto de que a equipa precisa de sentir “instabilidade” para crescer, o treinador acrescentou que o Vitória ocupa um “desconfortável quinto lugar” e alertou para as dificuldades que o Rio Ave vai causar, enquanto equipa que procura circular a bola para criar espaço no ataque, com o ponta de lança Carlos Vinícius a servir de referência para as movimentações de Galeno e de Fábio Coentrão.

“Estamos a perspetivar um jogo de exigência máxima, em que temos de estar totalmente focados para ultrapassar o adversário. A nossa confiança é muita, temos esperança em ganhar, mas sabemos que o adversário vem para o mesmo. Não vem para o ponto, vem para ganhar o jogo”, advertiu.

O Vitória venceu os dois últimos jogos da competição — antes do Chaves, tinha derrotado o Santa Clara por 2-0 –, ao contrário da equipa treinada por José Gomes, que perdeu ambos — Desportivo das Aves (2-1) e Sporting (3-1) –, mas Luís Castro recordou que é normal um “ciclo negativo” estar mais próximo quanto mais longo for o ciclo positivo de uma equipa.

“Vamos querer prolongar ao máximo o ciclo positivo, mas, em determinado momento, vamos entrar num ciclo negativo. Queremos que seja o mais curto possível. Não há ninguém que consiga fazer ciclos positivos muitos longos, porque o campeonato é muito difícil”, observou.

O treinador considerou mesmo irrelevantes as sequências de jogos mais recentes de ambas as equipas e preferiu apelar à crença dos seus jogadores em vencerem cada embate que disputam. “O pensamento na vitória está bem patente na forma como lutámos pelos três pontos em cada jogo. Podem apontar vários defeitos à equipa, mas a forma como ela se entrega é uma virtude fantástica. A equipa entrega-se por completo ao trabalho diário e ao trabalho no jogo”, assinalou.

O Vitória de Guimarães, quinto classificado da I Liga, com 18 pontos, recebe no domingo o Rio Ave, sexto colocado, em igualdade pontual, às 17h30, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)