Ministério da Saúde

Ministra reúne-se com administrações de hospitais para remarcação de cirurgias

Marta Temido afirmou sexta-feira aos jornalistas que tem trabalhado com os cinco hospitais onde decorre a greve em blocos operatórios para "garantir os direitos dos doentes".

HUGO DELGADO/LUSA

A ministra da Saúde reúne-se esta sexta-feira com as administrações dos hospitais onde decorre a greve dos enfermeiros, para garantir uma adequada remarcação das cirurgias que estão a ser adiadas.

Marta Temido afirmou sexta-feira aos jornalistas que tem trabalhado com os cinco hospitais onde decorre a greve em blocos operatórios para “garantir os direitos dos doentes”, adiantando que, sexta-feira ao final da tarde, vai reunir-se com as equipas dessas unidades de saúde.

“O que procuraremos fazer dentro desta circunstância, que é muito penosa sobretudo para os utentes, é encontrar soluções dentro do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, afirmou a ministra aos jornalistas, à margem da apresentação de um estudo, em Lisboa.

Marta Temido considerou ainda que os hospitais devem divulgar as cirurgias que têm sido adiadas devido à greve. “Uma divulgação daquilo que é o prejuízo desta greve é um elemento absolutamente essencial para que os portugueses compreendam o que se esta a passar, que é uma greve extraordinariamente agressiva, precedida por uma proposta que respondia à maioria das reivindicações dos enfermeiros”, declarou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

Os problemas da Direita: a liderança

Fernando Leal da Costa

O PSD precisa de um líder e não de um patrão. Até pode ser Rui Rio, não digo que não, mas isso obrigava-o a transmitir a ideia de que está confortável e seguro no cargo. Não parece ser o caso.

Saúde

Anatomia de uma greve

Luís Lopes Pereira

Não podemos manter greves – principalmente na prestação de cuidados de saúde – com um caráter tão indefinido no tempo como as que presenciamos, pois doutra forma teremos a morte anunciada do SNS.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro
181

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)