França

Emmanuel Macron fala aos franceses na segunda-feira

Presidente francês vai dirigir-se aos franceses na segunda-feira às 20:00 (19:00 em Lisboa), após silêncio em relação às últimas manifestações dos "coletes amarelos".

IAN LANGSDON / POOL/EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron, vai dirigir-se à nação na segunda-feira às 20:00 (19:00 em Lisboa), anunciou este domingo o Eliseu, após o silêncio em relação às últimas manifestações dos “coletes amarelos”. A presidência francesa não forneceu mais detalhes sobre a intervenção de Macron.

Esta será a primeira intervenção pública de Macron na sequência das últimas manifestações dos “coletes amarelos”, já que foi o primeiro-ministro, Edouard Philippe, quem deu a cara na gestão dos protestos que assumiram momentos de grande violência. Durante a manhã, Emmanuel Macron vai reunir-se com os sindicatos, entidades patronais e altas instituições do Estado, preparando terreno para enfrentar a crise dos “coletes amarelos”.

No sábado, o primeiro-ministro francês tinha anunciado que Emmanuel Macron iria propor “medidas” que visam “recuperar a unidade nacional”. “O Presidente da República vai falar. Vai propor medidas que vão contribuir para o diálogo e que permitirão, assim espero, que a nação francesa se encontre e esteja à altura dos desafios que existem e que vão continuar a surgir nos próximos anos”, disse o chefe do Governo no sábado, sem avançar detalhes.

Durante esta fase de ‘mutismo’ do Presidente francês, termo escolhido pelas agências noticiosas para aludirem ao silêncio de Macron, Philippe e vários ministros esforçaram-se para transmitir a mensagem de que Macron está consciente do descontentamento e abriu “uma fase de escuta”.

O porta-voz do Governo, Benjamin Griveaux, fez em seu nome um ato de contrição ao contar que o chefe de Estado “reconheceu que algumas das suas palavras poderão ter ferido”, numa alusão a frases que davam uma imagem arrogante de Macron e que alimentaram o ódio contra o Presidente francês, visível nos atos dos “coletes amarelos”.

A questão agora é que tipo de medidas poderão acalmar o descontentamento porque os números de participantes nas manifestações de sábado, 136.000 segundo o Ministério do Interior, estão em linha com as da semana anterior.

O dispositivo de segurança “excecional” (89.000 agentes) que o Governo mobilizou em véspera do quarto sábado consecutivo de mobilização dos “coletes amarelos” limitou a violência física.

O ex-primeiro-ministro Alain Juppé destacou que as “consequências de tudo isto são desastrosas”, não só para o comércio, como para o turismo, mas, pior ainda, provocam “danos na imagem internacional de França”.

O conservador Juppé, ‘padrinho’ político de Philippe, insistiu que “isto deve cessar” e que o Presidente da República deve falar “rápido e forte” e que algumas das exigências dos “coletes amarelo” “merecem resposta, nomeadamente no caso do poder de compra.

Já numa linha mais distante está o chefe da diplomacia, Jean-Yves Le Drian, antigo barão socialista, que sublinhou que “agora a questão principal é o poder de compra”, manifestando-se convencido que as palavras de Macron demonstrarão “que entendeu este movimento” e irá fixar a direção para que França se encaminha para “um novo contrato social indispensável”.

Independentemente da solução, uma coisa é certa, “a crise atual terá um impacto significativo sobre o nível de crescimento no final do ano”, de acordo com o ministro da Economia e Finanças, Bruno Le Maire.

Por sua vez, a Federação do Comércio e Distribuição antecipou que o setor vai perder mais de 1.000 milhões de euros em faturação e o presidente da Confederação de Pequenas e Médias Empresas, François Asselin, advertiu que haverá “muitas quebras”, em entrevista ao Le Journal du Dimanche.

Asselin adiantou que as perdas poderão chegar 10.000 milhões de euros e terá o seu corolário de despedimentos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)