Rádio Observador

Bombeiros

Presidente da Liga dos Bombeiros garante que socorro às populações não está em causa

Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares, garantiu que a ausência de reporte à Proteção Civil não compromete o socorro à população

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LPB), Jaime Marta Soares, garantiu este domingo que a ausência de reporte à Proteção Civil não compromete o socorro à população e devolveu a acusação de irresponsabilidade ao ministro da tutela, Eduardo Cabrita.

“Quem é irresponsável é o senhor ministro porque está a levantar o pânico e sabe que isso não é verdade, sabe que o socorro não está minimamente em causa”, declarou à Lusa Marta Soares, depois de o ministro da Administração Interna ter acusado a Liga de “irresponsabilidade” devido à decisão da organização de os bombeiros deixarem de comunicar ocorrências à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), em protesto contra os diplomas sobre as estruturas de comando aprovados pelo Governo.

Eduardo Cabrita convocou uma conferência de imprensa para criticar a atuação dos bombeiros e disse que a decisão compromete a coordenação de meios e pode pôr em causa a segurança das pessoas, o que o presidente da Liga rejeita.

“Se veio dizer isso para a opinião publica está a mentir. (…) essa questão não põe minimamente em causa, em circunstância, alguma o socorro às populações como sempre fizemos. A diferença é não dar a conhecer aos CDOS (Comandos Distritais de Operações de Socorro) as nossas prestações de socorro para demonstrar que somos capazes de desenvolver o socorro sem a proteção civil, atendendo a que o ministro não respeita o seu principal parceiro que são os bombeiros”, argumentou Marta Soares.

“Somos responsáveis por 98% do socorro em Portugal e em relação aos incêndios florestais, que são só 7% da nossa atividade, somos responsáveis por 95% em equipamento, viaturas e recursos humanos, no INEM somos responsáveis por 85% da atividade”, sublinhou.

Num “esclarecimento às população” enviado esta tarde às redações a Liga reitera “que o socorro e o apoio às populações não esteve nem nunca estará em causa” e lamenta “as pressões” da Autoridade Nacional de Proteção Civil e do ministro da Administração Interna, apelando à população para que se dirija ao quartel de bombeiros da sua área de residência para pedir mais informações “sobre o que se está a passar”.

No mesmo comunicado, a Liga informa que deixa de participar no do dispositivo coordenado pela ANPC de combate a incêndios em 2019.

Marta Soares criticou ainda o ministro por “não ter tomado em conta as propostas que foram feitas pelos bombeiros” e lamentou que o Governo queira fazer uma reforma da Proteção Civil “ignorando” o seu parceiro mais importante.

Embora tenha acusado o ministro de “não respeitar” e “ter andado a enganar os bombeiros”, Marta Soares assegura que não fecha a porta ao diálogo com o Governo: “Os bombeiros portugueses não gostam de viver em conflito, ninguém se sente bem em conflito. Os bombeiros sempre estiveram abertos ao diálogo e as negociações, mas têm de ser diálogo e negociação sérios, responsáveis”.

A LPB reivindica uma direção de bombeiros autónoma independente e com orçamento próprio, que diminua os custos e aumente a eficácia, um comando autónomo e o cartão social do bombeiro.

A Liga dos Bombeiros Portugueses tem, no total, 470 associados, distribuídos por corporações de voluntários (435), municipais (19), privativos (9), batalhão de sapadores bombeiros (1), companhias de sapadores bombeiros (5) e regimento de sapadores bombeiros (1) distribuídos por todos os distritos do Continente e Ilhas.

RCR // HB

Lusa/fim

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)