Proteção Civil

Proteção Civil admite que os bombeiros não estão a reportar ocorrências, mas garante “normalidade”

Comandante operacional, Pedro Nunes, garantiu a Proteção Civil está a "funcionar normalmente", apesar de admitir que os bombeiros não reportaram as ocorrências como de costume

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os bombeiros até podem estar a reportar menos ocorrências para os comandos distritais de socorro, mas nem por isso a Proteção Civil deixa de estar “a funcionar normalmente”, assegurando “uma resposta pronta e eficaz”. Pelo menos foi essa a mensagem deixada este domingo à noite pelo comandante do Agrupamento Distrital Centro-Norte da Proteção Civil, Pedro Nunes, no primeiro dia de uma “guerra” aberta entre o Governo e a Liga dos Bombeiros Portugueses.

No sábado, o presidente da Liga, Jaime Marta Soares, apelou às corporações de bombeiros para que deixassem de enviar informação operacional aos Comandos Distritais de Operações e Socorro (CDOS), numa reação às propostas aprovadas pelo Governo a 25 de outubro na área da proteção civil. A maior contestação centra-se nas alterações à lei orgânica da Autoridade Nacional de Emergências e Proteção Civil, futuro nome da atual ANPC. A Liga reivindica uma direção nacional de bombeiros “autónoma independente e com orçamento próprio”, um comando autónomo e o cartão social do bombeiro.

Os bombeiros deixaram mesmo reportar as ocorrências ao longo do dia. Pedro Nunes admitiu que, face a sábado, este domingo houve um decréscimo de 23% nas ocorrências reportadas. Mas não conseguiu precisar se esse decréscimo se deveu ao que apelidou de “bloqueio” de informação por parte das corporações ou se deveu a qualquer outra razão, como, por exemplo, pelo facto de ser um domingo.

A página da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) na internet registou este domingo, entre as 00:00 e as 13:00, números maiores: menos 37% de ocorrências face a igual período do passado domingo. Ou seja, comparando domingo com domingo, a situação era mais visível nos distritos de Lisboa e Aveiro. De acordo com dados recolhidos pela agência, a madrugada e manhã deste domingo registaram, a nível nacional, 173 ocorrências contra 272 há uma semana.

Em Lisboa, o distrito que habitualmente regista mais ocorrências no total do continente, naquele período de 13 horas a ANPC apenas registava 14 ocorrências, contra 49 no passado domingo, menos 71,5%.

Aveiro era, porém, o distrito do país com menos ocorrências registadas, no mesmo período (apenas quatro, a última das quais às 04:29), quando no domingo passado tinham sido divulgadas 29 e em Braga o número de ocorrências caiu para metade, de 20 para 10.

Havia no entanto distritos onde o número de ocorrências era praticamente idêntico ou mesmo superior às registadas há uma semana, no mesmo período: por exemplo, o Porto tinha hoje 49 (41 no dia 02), Setúbal passou de 22 há uma semana para 17 hoje e Faro de 19 para 12, enquanto em Santarém subiram de 13 para 22.

De acordo com uma fonte ligada à proteção e socorro, ouvida pela Lusa, a variação no número de ocorrências decorre da própria natureza dos acidentes (não há dias iguais e as variações do número são normais, até face a outras condicionantes, como as condições climatéricas), mas também, no caso concreto do protesto, porque a ANPC, embora podendo saber que existe uma determinada ocorrência e onde, pode não a divulgar por não saber o seu estado e os meios envolvidos.

Seja como for, o comandante Pedro Nunes garantiu que “a situação está estabilizada” e que as operações de socorro estão a ser feitas. Por outro lado, existem sistemas de redundância para os alertas de ocorrências e a Proteção Civil tem vindo a “reforçar a sua coordenação”. Por isso mesmo, sublinhou que “o bloqueio não põe em causa a segurança dos cidadãos”.

“O sistema está a funcionar normalmente”, sublinhou, acrescentando que a informação operacional está a chegar à Proteção Civil através da linha 112, do Instituto Nacional de Emergência Médica e também dos bombeiros.

A posição da Liga dos Bombeiros motivou uma resposta forte do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que este domingo acusou a Liga de ser “absolutamente irresponsável”. E disse que não reportar as ocorrências é contra a lei.

“É absolutamente irresponsável e põe em causa a segurança dos portugueses. É absolutamente irresponsável admitir que estruturas que integram o sistema nacional da Proteção Civil possam não reportar ao sistema, isto é, por em causa a coordenação de meios”, disse Eduardo Cabrita este domingo de manhã. O ministro disse mesmo que era “ilegal” não reportar informação às autoridades competentes e disse que haverá “consequências” para os incumpridores.

Numa mensagem direta aos bombeiros voluntários, Eduardo Cabrita disse ainda: “Não ponham em causa esta prioridade absoluta que é a garantia da segurança das populações e a necessidade de coordenação entre todos os meios de resposta em função da natureza e dimensão da ocorrência”.

“O governo assegura a segurança dos portugueses e apela a que todas as ocorrências sejam participadas a partir do sistema do 112, porque essa é a única forma de garantir a comunicação plena entre todas as autoridades”, acrescentou.

Momentos depois da comunicação do ministro da Administração Interna, Jaime Marta Soares, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses acusou Eduardo Cabrita e o governo de mentirem quanto à suposta menor preparação dos bombeiros para acudirem às mais diversas ocorrências, perante o corte de relações com a Proteção Civil. “Você sabe que esteve a mentir, não sabe, senhor ministro?”, disse Jaime Marta Soares, de olhar fixo na câmara da RTP. “Não põe minimamente em causa, como o senhor ministro disse, a segurança das pessoas. Convido os portugueses a passarem pelos quartéis para verem se há ou não bombeiros.”

Jaime Marta Soares queixou-se também de falta de diálogo por parte do governo. “Temos ido a variadíssimas reuniões com o senhor ministro, entrávamos com uma mão vazia e saíamos com um mão cheia de nada. E dissemos há dias que bastava, que não estávamos para sermos humilhados e desrespeitados”, disse à RTP. Jaime Marta Soares acusou o ministro da Administração Interna de “falta de sentido de responsabilidade de Estado perante aqueles que são o principal agente de decisão em Portugal”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)