Guiné-Bissau

Adiada missão da CEDEAO que devia chegar segunda-feira a Bissau

A missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental chegaria a Bissau depois de o Ministério Público ter ordenado a suspensão do recenseamento eleitoral em curso por suspeitas de fraude.

Mercado de Bandim, Guiné-Bissau

ANDRE KOSTERS/LUSA

A representação da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) na Guiné-Bissau anunciou, em comunicado, que a missão ministerial da organização que devia chegar esta segunda-feira a Bissau foi adiada.

“Em referência à nota de imprensa, previamente enviada, dando conta da vinda de uma missão ministerial de alto nível da CEDEAO à Guiné-Bissau, prevista para segunda-feira, cumpre-nos informar que a dita missão foi adiada. Posteriormente uma nova data será comunicada”, informa a representação da CEDEAO.

A missão, que deveria ter chegado segunda-feira a Bissau, vinha analisar os preparativos para a realização de eleições legislativas no país. Durante a sua estada em Bissau, a missão deveria reunir-se com as autoridades nacionais, líderes políticos e representantes da comunidade internacional, mas o Presidente guineense, José Mário Vaz, não se encontra no país por estar em Marrocos a participar na conferência intergovernamental para adoção do pacto global sobre migração segura, ordenada e regular.

A missão ministerial da CEDEAO chegaria a Bissau depois de o Ministério Público guineense, através de um despacho, ter ordenado a suspensão do recenseamento eleitoral em curso no país e colocado forças de segurança no Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral no âmbito de uma investigação que está a fazer por suspeitas de fraude.

A investigação teve início na sequência de uma queixa apresentada por um grupo de partidos políticos, onde está incluído o Partido de Renovação Social (segunda maior força do país e que faz parte do atual governo em funções no país), terem apresentado uma queixa no Ministério Público por alegadas irregularidades no processo de recenseamento.

No final da última visita realizada à Guiné-Bissau, a 5 de novembro, a CEDEAO referiu que queria que o país realizasse eleições legislativas até ao final deste ano. As eleições legislativas na Guiné-Bissau estavam inicialmente marcadas para dia 18 deste mês, mas dificuldades na preparação do processo, nomeadamente atrasos no recenseamento eleitoral, levaram ao adiamento do escrutínio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)