Rep Democrática do Congo

Surto de ébola na República Democrática do Congo é o mais mortífero na história do país com 283 mortos

Na República Democrática do Congo, 235 mortes foram confirmadas em testes de laboratório e as restantes 48 "são prováveis", tendo sido contabilizados 494 casos, dos quais 446 estão confirmados.

Em 29 de novembro, a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que o surto de ébola na República Democrática do Congo é o segundo maior da história

EUGENE KABAMBI / WORLD HEALTH ORGANIZATION HANDOUT/EPA

O surto de ébola registado no nordeste República Democrática do Congo já causou a morte a 283 pessoas, o que faz desta a epidemia mais mortífera da história do país, de acordo com o Ministério da Saúde congolês.

Segundo um relatório divulgado na noite de domingo, 235 mortes foram confirmadas em testes de laboratório e as restantes 48 “são prováveis”, tendo sido contabilizados 494 casos, dos quais 446 estão confirmados.

Este surto excede aquele que era considerado, até agora, o mais mortífero na história do país, que ocorreu na aldeia de Yambuku, em agosto de 1976, considerado o primeiro surto de ébola registado em todo o mundo.

Em 29 de novembro, a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que o surto de ébola na República Democrática do Congo é o segundo maior da história, logo depois do surto na África Ocidental, que matou milhares de pessoas há alguns anos.

A epidemia do vírus ébola no país africano foi declarada a 1 de agosto deste ano, em Mangina, nas províncias de Kivu Norte e Ituri. O vírus alastrou já até perto da fronteira com o Uganda, país que, como prevenção, realizou um programa de vacinação de funcionários na fronteira com a República Democrática do Congo, atravessada diariamente por centenas de pessoas, num trânsito normal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)