Greve

Misericórdias disponíveis para realizar as cirurgias adiadas pela greve dos enfermeiros

979

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas diz estar disponível para ajudar com as cirurgias adiadas pela greve. A Ordem dos Médicos pede regime de exceção dos serviços mínimos para crianças.

Mais de 100 crianças viram as suas cirurgias adiadas

PAULO NOVAIS/LUSA

A União das Misericórdias Portuguesas mostrou-se disponível para fazer algumas das cirurgias que têm sido desmarcadas nos hospitais públicos por causa da greve dos enfermeiros, noticiou a TSF.

O pedido ainda não foi feito oficialmente pelo Governo, mas Manuel Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas, disse estar disposto a reforçar os acordos já existentes para recuperar as cirurgias adiadas. Só desde o início da greve, a 22 de novembro, já ficaram por fazer mais de cinco mil cirurgias. Um número que vai continuar a aumentar até ao final da greve (a 31 de dezembro).

Os hospitais têm procurado transferir os doentes graves para outros hospitais quando não conseguem garantir a realização da cirurgia, como o Hospital de Santa Maria que já transferiu doentes para os hospitais de S. José, Lisboa Ocidental e Beatriz Ângelo. Situação mais difícil vive o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, porque os hospitais mais próximos não têm capacidade de resposta, disse Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos.

Ana Rita Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros, admitiu que o número de mortes evitáveis pode aumentar devido a esta greve, mas acrescentou que o facto de existirem menos enfermeiros nos hospitais do que seria desejável também faz aumentar a mortalidade hospitalar.

O bastonário da Ordem dos Médicos também não pode garantir que não haja mais mortes evitáveis por causa da greve, mas considerou que não faz sentido os médicos operarem sozinhos nos hospitais onde decorre a greve dos enfermeiros, porque não se está a viver nenhuma situação de catástrofe.

Regime de exceção para as cirurgias das crianças

Um dos grupos que têm suscitado mais preocupação são as crianças. “Há mais de cem crianças cujas cirurgias foram adiadas”, disse Alexandre Valentim Lourenço, presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, depois da reunião com os diretores clínicos dos cinco hospitais onde decorre a greve. Na sexta-feira, Carlos Martins, presidente do Conselho de Administração do Hospital de Santa Maria, admitiu à TSF que ainda não tinha sido possível realizar nenhuma cirurgia pediátrica naquele hospital desde o início da greve.

Os serviços mínimos pressupõem que sejam feitas cirurgias em situações graves e prioritárias, mas a Ordem dos Médicos pede que seja aberta uma exceção no caso das cirurgias pediátricas para evitar prejudicar o ano letivo das crianças, noticiou o Jornal de Notícias. As cirurgias pediátricas não urgentes são, normalmente, agendadas para alturas em que têm menos impacto no calendário escolar. Se forem adiadas, isso pode ter um impacto negativo no aproveitamento dos alunos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)