PSD

PSD perde mais um militante histórico por desacordo com Rio

630

Virgílio Costa, militante do PSD há mais de 40 anos e antigo líder em Braga, deixou o partido por não estar de acordo com a liderança de Rui Rio. Jorge Nuno de Sá junta-se à Aliança de Santana Lopes.

Antigo líder da JSD ingressa no partido de Santana Lopes

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Há mais de 40 anos ligado ao PSD, Virgílio Costa, abandona o partido por não concordar com a liderança de Rui Rio e com a ausência de intervenção política, noticiou o Público.

“Não estou desiludido com os ideais, nem com os objetivos políticos do PSD, estou em desacordo com a forma como a atual liderança projeta o partido”, afirmou o antigo vice-presidente da direção do grupo parlamentar social-democrata.

Virgílio Costa apoiou Santana Lopes nas eleições internas para a liderança do PSD, mas disse que não pretende inscrever-se na Aliança.

Jorge Nuno de Sá vai coordenar a comissão instaladora do partido de Viana do Castelo

O descontentamento de Jorge Nuno de Sá, antigo líder da JSD, surgiu ainda durante a liderança de Pedro Passos Coelho, em setembro de 2017. Agora, vai ingressar no Aliança, depois de aceitar o convite para coordenar a comissão instaladora do partido de Viana do Castelo, noticiou o Público.

Descontente com o funcionamento dos partidos, Jorge Nuno de Sá acreditava que o que o país precisava era de um partido novo. Junta-se ao Aliança porque “está na política portuguesa com a perspetiva de construir com alegria”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
262

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.498

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)