Bombeiros

Rui Rio apela para que Governo retome diálogo com a Liga de Bombeiros

O líder do PSD considera que o Governo cometeu um erro em não ter dialogado com os bombeiros. Reforma da Proteção Civil tem de ser feita com os bombeiros e não contra, salientou.

O presidente do Partido Social Democrata - PSD, Rui Rio, a discursar durante a conferência “Princípios e valores de Sá Carneiro no séc. XXI”, que decorreu no Porto, dia 2 de dezembro de 2018

FERNANDO VELUDO/LUSA

O líder do PSD apelou esta segunda-feira ao Governo para que, em nome do interesse nacional, retome as negociações com os bombeiros, considerando que o executivo cometeu um erro ao aprovar uma reforma que tem a oposição daqueles. “Eu acho que o Governo cometeu, naturalmente, um erro que é não ter dialogado com os bombeiros, não ter ouvido suficientemente a Associação Nacional de Municípios Portugueses. Todos estão contra a reforma que o Governo pretende fazer”, afirmou Rui Rio.

Sem fazer considerações sobre quem tem ou não razão, o social-democrata defendeu que a reforma da Proteção Civil não pode ser feita contra os bombeiros, mas com eles. “O apelo que eu faço é que o ministro e, particularmente, o Governo, se sente à mesa com os bombeiros e com calma ponham o interesse nacional e a segurança das populações em cima de tudo e dialoguem para encontrar uma solução”.

O presidente do PSD não tem dúvidas de que a solução encontrada pelo Governo, que já foi aprovada em Conselho de Ministros, “vai ser, aparentemente, muito difícil de levar a cabo” pelo que espera que “da parte do Governo haja o bom sendo de ouvir os bombeiros e que os bombeiros tenham a devida calma para o ouvir o Governo”.

“É a única via sensata”, defendeu, disse.

Questionado sobre se se subscrevia as declarações de social-democrata Duarte Marques que acusou, também esta segunda-feira, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, de “arrogância política”, Rui Rio, sublinhou que como líder da oposição não lhe compete estar a acicatar os ânimos, pretendendo, apenas, ver o problema resolvido.

O Conselho Nacional da Liga dos Bombeiros Portugueses (LPB) decidiu suspender toda a informação operacional aos Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) desde as 00h00 de domingo.

No domingo, o presidente da LBP, Jaime Marta Soares, e a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) garantiram que a suspensão de informações operacionais por parte dos bombeiros à ANPC não compromete o socorro à população.

Também nesse dia, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, considerou que a suspensão de informações operacionais por parte dos bombeiros à ANPC é ilegal e coloca em causa a segurança das pessoas ao afetar a coordenação de meios de resposta.

O Governo aprovou, em Conselho de Ministros realizado em 25 de outubro, a proposta de alteração à Lei Orgânica da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), que vai passar a designar-se Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Com esta proposta, o Governo acaba com os atuais 18 comandos distritais de operações e socorro (CDOS), e cria cinco comandos regionais e 23 comandos sub-regionais de emergência e proteção civil.

O Governo pretende que o novo modelo da Proteção Civil passe a ter uma base metropolitana ou intermunicipal.

A proposta do executivo prevê também a criação de um Comando Nacional de Bombeiros com autonomia financeira e orçamento próprio, cujo responsável máximo será designado depois de ouvida a (LBP).

O diploma prevê também que os voluntários deixem de participar no ataque inicial a incêndios rurais, ficando essa tarefa entregue ao Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR.

A LBP reivindica uma direção de bombeiros autónoma independente e com orçamento próprio, que diminua os custos e aumente a eficácia, um comando autónomo e o cartão social do bombeiro.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)