Bombeiros

Rui Rio apela para que Governo retome diálogo com a Liga de Bombeiros

O líder do PSD considera que o Governo cometeu um erro em não ter dialogado com os bombeiros. Reforma da Proteção Civil tem de ser feita com os bombeiros e não contra, salientou.

O presidente do Partido Social Democrata - PSD, Rui Rio, a discursar durante a conferência “Princípios e valores de Sá Carneiro no séc. XXI”, que decorreu no Porto, dia 2 de dezembro de 2018

FERNANDO VELUDO/LUSA

O líder do PSD apelou esta segunda-feira ao Governo para que, em nome do interesse nacional, retome as negociações com os bombeiros, considerando que o executivo cometeu um erro ao aprovar uma reforma que tem a oposição daqueles. “Eu acho que o Governo cometeu, naturalmente, um erro que é não ter dialogado com os bombeiros, não ter ouvido suficientemente a Associação Nacional de Municípios Portugueses. Todos estão contra a reforma que o Governo pretende fazer”, afirmou Rui Rio.

Sem fazer considerações sobre quem tem ou não razão, o social-democrata defendeu que a reforma da Proteção Civil não pode ser feita contra os bombeiros, mas com eles. “O apelo que eu faço é que o ministro e, particularmente, o Governo, se sente à mesa com os bombeiros e com calma ponham o interesse nacional e a segurança das populações em cima de tudo e dialoguem para encontrar uma solução”.

O presidente do PSD não tem dúvidas de que a solução encontrada pelo Governo, que já foi aprovada em Conselho de Ministros, “vai ser, aparentemente, muito difícil de levar a cabo” pelo que espera que “da parte do Governo haja o bom sendo de ouvir os bombeiros e que os bombeiros tenham a devida calma para o ouvir o Governo”.

“É a única via sensata”, defendeu, disse.

Questionado sobre se se subscrevia as declarações de social-democrata Duarte Marques que acusou, também esta segunda-feira, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, de “arrogância política”, Rui Rio, sublinhou que como líder da oposição não lhe compete estar a acicatar os ânimos, pretendendo, apenas, ver o problema resolvido.

O Conselho Nacional da Liga dos Bombeiros Portugueses (LPB) decidiu suspender toda a informação operacional aos Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) desde as 00h00 de domingo.

No domingo, o presidente da LBP, Jaime Marta Soares, e a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) garantiram que a suspensão de informações operacionais por parte dos bombeiros à ANPC não compromete o socorro à população.

Também nesse dia, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, considerou que a suspensão de informações operacionais por parte dos bombeiros à ANPC é ilegal e coloca em causa a segurança das pessoas ao afetar a coordenação de meios de resposta.

O Governo aprovou, em Conselho de Ministros realizado em 25 de outubro, a proposta de alteração à Lei Orgânica da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), que vai passar a designar-se Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Com esta proposta, o Governo acaba com os atuais 18 comandos distritais de operações e socorro (CDOS), e cria cinco comandos regionais e 23 comandos sub-regionais de emergência e proteção civil.

O Governo pretende que o novo modelo da Proteção Civil passe a ter uma base metropolitana ou intermunicipal.

A proposta do executivo prevê também a criação de um Comando Nacional de Bombeiros com autonomia financeira e orçamento próprio, cujo responsável máximo será designado depois de ouvida a (LBP).

O diploma prevê também que os voluntários deixem de participar no ataque inicial a incêndios rurais, ficando essa tarefa entregue ao Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR.

A LBP reivindica uma direção de bombeiros autónoma independente e com orçamento próprio, que diminua os custos e aumente a eficácia, um comando autónomo e o cartão social do bombeiro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)