O Banco de Moçambique autorizou a operação da empresa Compuscan como primeira agência de informação de crédito no país, anunciou esta quarta-feira a firma sul-africana em comunicado.

A nova empresa deverá receber informação de bancos e instituições de microfinanças que deverá criar condições para “um aumento do volume de empréstimos, ao melhorar o acesso ao financiamento com menor risco de crédito”, esclarece.

“Este novo serviço levará todos os bancos comerciais e instituições de microfinanças a partilhar dados sobre empréstimos contraídos no mercado moçambicano e poderá incluir outros fornecedores de crédito, como telecomunicações, retalhistas, serviços de utilidade pública, seguros, entre outros”, acrescentou.

O serviço responde a legislação introduzida em Moçambique em 2015 e será supervisionado pelo banco central, acrescenta.

A Compuscan apresenta-se como o tipo de empresa que fornece “produtos e serviços, tais como relatórios, pontuações de crédito, verificações de identidade, avaliações de acessibilidade e de coletas” que “ajudam a prever riscos e a reduzir fraudes”.

Os dados “são altamente protegidos e o seu acesso é estritamente regulado por legislação”, acrescenta, apontando como benefícios da partilha de informação contribuir para criar um “leque melhorado de tomadores de empréstimos, taxas de incumprimento reduzidas e, gradualmente, taxas de juro mais baixas”.

A queda do crédito à economia, registada nos últimos anos em Moçambique, abrandou, situando-se numa redução de 5% em setembro de 2017, comparada com o mesmo mês de 2017, enquanto o risco de crédito malparado continua elevado, atingindo um rácio da ordem 13%, face a 3% em 2014, segundo dados do banco central apresentados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em novembro.