Rádio Observador

Google

Do Mundial aos fogos em Monchique: o que mais pesquisaram os portugueses no Google em 2018?

O desporto, a morte de várias celebridades e fenómenos como furacões e eclipses marcaram as tendências de pesquisa no Google em 2018, incluindo as dos portugueses.

O chamado “Ano em pesquisa” da Google revela as principais tendências de pesquisa no motor de busca

AFP/Getty Images

O Campeonato Mundial de Futebol que decorreu na Rússia, os incêndios que devastaram a serra de Monchique e Bruno de Carvalho, antigo presidente do Sporting, foram alguns dos temas e personalidades que este ano marcaram as tendências de pesquisa dos portugueses no Google. Em comunicado, a empresa revelou esta quarta-feira os resultados do seu ano em pesquisa, onde também teve grande destaque o adeus a vários ícones culturais em 2018.

A nível nacional, o desporto dominou em várias áreas de pesquisa: além do Mundial, as polémicas relacionadas com o Sporting colocaram Bruno de Carvalho e as eleições do Sporting na lista das tendências, bem como os jogadores Rúben Semedo e Rui Patrício. Houve também espaço para os portugueses pesquisarem por programas televisivos, como o “Secret Story”, o “Casados à Primeira Vista” e o “Love on Top”, que, segundo os resultados, constituem três dos programas com mais tendência de pesquisa este ano em Portugal.

Os portugueses estiveram também atentos a eventos que marcaram o mundo este ano, como as eleições brasileiras, o casamento real e também o resgate de 12 crianças e um treinador numa gruta na Tailândia. Quiseram também saber mais sobre fenómenos como o furacão Leslie e o eclipse lunar. As notícias nacionais, como o incêndio de Monchique e o debate sobre a mudança da hora, também fizeram parte das pesquisas feitas no país. Já relativamente à curiosidade da população nacional, a tendência de pesquisa por frases começadas pela palavra “como”, mostra que muitas se referiam a “como fazer slime”, uma massa viscosa, seguindo-se o “como ver a Eleven Sports”, a plataforma que chegou a Portugal e adquiriu os direitos televisivos das principais competições desportivas.

Quanto aos nomes internacionais, o DJ Avicii, o escritor argumentista e editor da Marvel Comics, Stan Lee, e a cantora Demi Lovato constituem o top 3 das tendências de pesquisa dos portugueses. Já nos nomes nacionais, o pódio foi ocupado por Bruno de Carvalho, pela apresentadora Helena Ramos e pelo cantor Zé do Pipo.

No resto do mundo, o cenário tem algumas diferenças. Mas há uma coisa em comum: o campeonato mundial também dominou a tendência de pesquisas no motor de busca, bem como os óbitos de personalidades como Avicii, Mac Miller, Stan Lee, Anthony Bourdain, XXXTentacion e Aretha Franklin. Nas pesquisas surge também o interesse em temas relacionados com os Estados Unidos, como o furacão Michael, a polémica de Brett Kavanaugh e o tiroteio na Flórida.

Já na lista de personalidades que dominaram o motor de busca em 2018 estiveram Meghan Markle, seguindo-se Demi Lovato e Sylvester Stallone.

O ano em pesquisa Google revela as principais tendências de pesquisa no motor de busca, ou seja, “o que chamou mais à atenção das pessoas em 2018” em comparação com os resultados de 2017, explicou a Google em comunicado. Estas tendências são pesquisas “que tiveram o maior pico de tráfego durante um período sustentado em 2018 em comparação com 2017”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)