Rádio Observador

Democracia

Força da democracia ganha à violência do terrorismo

O presidente do Parlamento Europeu anunciou ainda que às 12h00 locais (11h00 em Lisboa) será observado um minuto de silêncio em memória das vítimas.

STEPHANIE LECOCQ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, disse esta quarta-feira na abertura dos trabalhos no hemiciclo de Estrasburgo, cidade atingida na terça-feira à noite por um ataque terrorista, que a força da democracia ganha à violência do terrorismo.

Na abertura dos trabalhos, Tajani comentou que “hoje é um dia muito difícil para todos na Europa”, na sequência do ataque na véspera perto do mercado de Natal da cidade de Estrasburgo, “a cidade-sede do Parlamento Europeu, a cidade símbolo da paz, fronteira entre França e Alemanha”.

“Foi um ataque criminoso contra a paz, contra a democracia, contra o nosso modelo de vida. Mas é preciso reagir fazendo exatamente o oposto daqueles que querem ferir a democracia. Não podemos mudar os nossos hábitos, e é por isso que ontem à noite continuámos a trabalhar, concluímos o nosso trabalho à meia-noite, e hoje aqui estamos para prosseguir o nosso trabalho. Porquê? Porque a força da liberdade e da democracia ganha contra a violência do crime e do terrorismo”, disse, sendo aplaudido pelos parlamentares.

O presidente do Parlamento Europeu anunciou ainda que às 12:00 locais (11:00 em Lisboa) será observado um minuto de silêncio, em memória das vítimas.

Tajani falava antes do início de mais um debate com chefes de Estado da União Europeia sobre “o futuro da Europa”, desta feita com o Presidente de Chipre, Nicos Anastasiades, que começou a sua intervenção com uma “condenação nos termos mais firmes do ataque terrorista” da véspera.

“O terrorismo constitui uma das ameaças mais graves à paz e segurança da nossa União. Não podemos permitir que o medo e que o terror prevaleçam. Devemos permanecer unidos para eliminar este fenómeno deplorável”, declarou.

Já quarta-feira também o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, reagira, manifestando o seu pesar pelo ataque de quarta-feira à noite em Estrasburgo e afirmando que a União Europeia permanece toda unida ao lado da França “em mais esta provação”.

“Todos os meus pensamentos vão para as vítimas do ataque de ontem à noite em Estrasburgo, assim como para as suas famílias. Continuamos todos unidos ao lado da França em mais esta provação”, escreveu Tusk na sua conta na rede social Twitter.

Na terça-feira à noite, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, também já reagira com uma publicação na mesma rede social, para condenar “com grande firmeza” o tiroteio em Estrasburgo, que provocou a morte de três pessoas e feriu mais de uma dezena.

“Estrasburgo é, por excelência, uma cidade símbolo da paz e da democracia europeias, que defenderemos sempre. A Comissão está ao lado de França”, escreveu Juncker, que na terça-feira de manhã participara num debate no hemiciclo de Estrasbsurgo, que acolhe esta semana uma sessão plenária do Parlamento Europeu.

A França tem sido o Estado-membro da União Europeia mais atingido por ataques terroristas nos últimos anos, entre os quais os ataques em Paris em 13 de novembro de 2015, que provocaram mais de 180 mortos, e o ataque em Nice em 14 de julho do ano seguinte, que fez 84 mortos.

O ataque no Mercado de Natal de Estrasburgo, na terça-feira à noite, provocou pelo menos dois mortos e 12 feridos, seis dos quais em estado crítico. Anteriormente, a polícia francesa indicara quatro mortos, mas o balanço foi revisto em baixa.

As forças de segurança montaram uma operação de caça ao homem para tentar deter o autor do ataque, que ficou ferido numa troca de tiros com um soldado antes de abandonar o local mas permanece em fuga.

O Ministério Público francês abriu uma investigação por homicídio e tentativa de homicídio relacionada com uma organização terrorista, assim como por associação terrorista.

O Governo francês elevou o nível de alerta no país para “emergência por atentado”, com um reforço de controlo nas fronteiras, aumento de segurança nos mercados de Natal e mobilização de meios envolvidos no dispositivo antiterrorismo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral
199

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Democracia

Ainda Hong Kong, Macau e a Democracia

Ricardo Pinheiro Alves

Hong Kong e Macau reflectem a diferença entre 330 anos de construção lenta e gradual, mas consistente, de Liberdade e Democracia no Reino Unido, e apenas 44 anos nem sempre consensuais em Portugal.

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Ricardo Pinheiro Alves
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)