Monumentos

Monumentos do Algarve batem recorde com cerca de meio milhão de visitas

Os monumentos tutelados pela Direção Regional de Cultura do Algarve registaram de janeiro a novembro perto de meio milhão de visitantes. A Fortaleza de Sangres foi o monumento mais visitado da região.

Foi na Fortaleza de Sagres que se verificou o crescimento mais expressivo do número de visitantes

LUIS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os monumentos tutelados pela Direção Regional de Cultura do Algarve registaram de janeiro a novembro um número recorde de perto de meio milhão de visitantes, o que representa um aumento de 10,6% comparativamente com 2017, anunciou o organismo.

A Direção Regional de Cultura do Algarve (DRAPALG) precisou que este registo foi alcançado nos monumentos “afetos à Direção Regional de Cultura do Algarve, com estruturas de acolhimento — Fortaleza de Sagres, Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, Monumentos Megalíticos de Alcalar e Ruínas Romanas de Milreu –“, que conseguirem até novembro “o maior número de visitantes desde que existem registos, aproximando-se, no seu conjunto, às 500 mil visitas no final 2018”.

“Até novembro deste ano, de 427.972 visitantes do ano anterior, passou para 473.340, correspondendo a um aumento global de 10,60%”, quantificou o organismo público num comunicado.

A mesma fonte precisou que “a afluência de visitantes nos diferentes monumentos não é simétrica, quando comparada com o ano anterior” e houve locais onde a “tendência verificada foi de ligeira redução em relação aos valores do ano passado”.

“Mas mais uma vez foi na Fortaleza de Sagres que se verificou o crescimento mais expressivo, contribuindo para os valores globais alcançados”, salientou a DRAPALG, frisando também que foram os estrangeiros quem mais contribuiu para esses números, com “85,36%, contra 14,64% de nacionais”.

O único monumento onde a diferença entre visitantes estrangeiros e nacionais mais se esbateu foi o Megalítico de Alcalar, que registou a entrada de 45,46% de visitantes portugueses, acrescentou a Direção regional algarvia.

“Estes imóveis têm vindo a ser dinamizados através do programa DiVaM, com várias atividades de caráter multidisciplinar, que têm permitido aos visitantes e comunidades locais a fruição desses espaços com incremento de oferta cultural”, destacou a DRAPALG, referindo estarem em curso “intervenções de manutenção e valorização com recurso a candidaturas a fundos comunitários e nacionais” em alguns destes monumentos.

A Direção Regional congratulou-se com o “trabalho efetuado nestes monumentos ao longo dos anos” e exemplificou o reconhecimento que lhes tem sido dado, “nomeadamente à Fortaleza de Sagres, com a atribuição da Marca Património Europeu em 2015 e mais recentemente o título honorífico de ‘Lugar Internacional de Cultura e Paz’, atribuído pelo Observatório Internacional de Direitos Humanos”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)