Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

SNS gastou 2,2 mil milhões de euros com medicamentos em 2017

De um orçamento global de 9,3 mil milhões de euros, o Serviço Nacional de Saúde gastou cerca de 2,2 mil milhões de euros em medicamentos, o que corresponde a 1,18% do Produto Interno Bruto.

De 2016 para 2017 surgiram mais 33 empresas farmacêuticas, para um total de 463 e cerca de mais 20 armazéns de medicamentos

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) gastou 2,2 mil milhões de euros com medicamentos em 2017, de um orçamento global de 9,3 mil milhões de euros, o que corresponde a 1,18% do Produto Interno Bruto (PIB).

Segundo a Estatística do Medicamento e Produtos de Saúde 2017, divulgada esta quarta-feira pelo Infarmed, o SNS continua a ser o maior cliente, dominando 74,9% do mercado dos 16.976 medicamentos com autorização de venda, dos quais 10.002 são comparticipados, especialmente os que tratam doenças cardiovasculares e do sistema nervoso central.

De 2016 para 2017 surgiram mais 33 empresas farmacêuticas, para um total de 463, mais 20 armazéns de medicamentos (499) e mais 21 locais de venda de medicamentos sem receita médica (1.242), segundo os dados disponíveis.

O número de farmácias também aumentou, passando de 2.774 para 2.805, das quais 1.009 estão concentradas na região de Lisboa e Vale do Tejo, assim como o número de farmacêuticos subiu de 9.338 para 9.369.

Nos números encontra-se uma diminuição do número de habitantes por farmácia, que passou de 3.536 em 2016 para 3.491 em 2017.

No ambulatório (doentes que não são internados) foram gastos 1.213 milhões de euros, mais 24 milhões que em 2016.

A estatística mostra ainda que a venda de genéricos no SNS atingiu 65,5 milhões de embalagens, cerca de mais um milhão do que em 2016.

Em matéria de fiscalização, no ano passado foram inspecionadas menos cinco farmácias do que em relação a 2016, menos 97 armazéns e menos 194 laboratórios.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)