A 12 de novembro, há exatamente um mês e um dia, Marcel Keizer foi apresentado por Frederico Varandas enquanto novo treinador do Sporting. Ainda debaixo de fogo pelo despedimento de José Peseiro, o presidente leonino garantiu que tinha toda a confiança no treinador holandês — apesar da pouca experiência ao serviço de equipas de alto nível europeu — e apontou vários motivos chave para justificar a aposta em Keizer. “É um treinador jovem, ambicioso, apaixonado pelo que faz, sem medo de apostar nos jovens e que procura ter sempre um cunho muito próprio nas suas equipas: futebol atrativo e dominador”, disse Varandas.

O holandês tomou a palavra pouco depois e mencionou a “filosofia atacante” e a “energia” que queria ver nos jogadores do Sporting. E voltou a mencionar os jovens. O clube de Alvalade, crónico formador e orgulhoso disso, tem perdido terreno nos últimos anos para Benfica e FC Porto (e até Sp. Braga) e deixou fugir a predominância que tinha nas seleções nacionais jovens e até na Seleção Nacional A. Marcel Keizer, ainda que inconscientemente, parece ter chegado para mudar isso.

Esta quinta-feira, já com o apuramento para os 16 avos de final garantido e a certeza de que não conseguiria melhor do que o segundo lugar do Grupo E, atrás do Arsenal, o Sporting recebia o Vorskla Poltava e tinha a possibilidade de somar a sexta vitória consecutiva e alcançar a melhor pontuação de sempre em fases de grupos de competições europeias. Keizer fez oito alterações no onze inicial face ao jogo anterior e deu a titularidade a Miguel Luís, médio de apenas 19 anos, que assumiu o lugar do lesionado Wendel no meio-campo leonino e agradeceu a aposta com uma enorme exibição e um golo. Miguel Luís, que tinha sido lançado pela primeira vez ainda por José Peseiro, assume-se como o candidato natural e preferencial ao lugar que Wendel deixará vago durante dois meses e pode ser a quota de rebeldia necessária para contra-balançar com a maior rigidez de Gudelj.

Na segunda parte, com o resultado em 3-0 e o jogo completamente controlado, Marcel Keizer deu largas à imaginação. Primeiro, foi obrigado: Montero lesionou-se com gravidade e foi substituído por Pedro Marques, de apenas 20 anos. Depois, Ristovski saiu para entrar Thierry Correia, de 19 anos; e por fim, Bruno Fernandes deixou o relvado sob aplausos dos adeptos e deu o lugar a Bruno Paz, que tem 20 anos. No banco ficou ainda Abdu Conté, que também tem 20 anos. Destes, só Thierry Correia já se tinha estreado na equipa principal dos leões (contra o Qarabag, na jornada anterior da Liga Europa).

O treinador holandês fez três substituições e lançou dois jogadores de 20 anos e outro de 19. Dentro de campo, é preciso recordar, estavam já Miguel Luís e Jovane Cabral, de 19 e 20 anos, e ainda Carlos Mané, que tem 24 e é também ele um produto da Academia de Alcochete. Quando o jogo terminou, o Sporting tinha dentro de campo três jogadores nascidos em 1998, dois nascidos em 1999 e seis que completaram a formação em Alcochete. “Para a Academia foi muito bom, pois acabámos com cinco ou seis jogadores de lá. Foi bom de se ver”, disse o técnico no final do jogo. Marcel Keizer foi contratado por apostar nos jovens, prometeu apostar nos jovens e está a apostar nos jovens. E, verdade seja dita, está no clube certo para o fazer.