Juros da Dívida

Juros da dívida de Portugal caem em todos os prazos, a dois e dez anos para mínimos

Os juros da dívida portuguesa caíram em todos os prazos e a dois e dez anos para mínimos desde junho em relação a quarta-feira, alinhados com os da Grécia e Itália.

Juros da dívida de Portugal caem em todos os prazos, a dois e dez anos para mínimos

© Hugo Amaral/Observador

Autor
  • Agência Lusa

Os juros da dívida portuguesa estavam esta quinta-feira de manhã a cair em todos os prazos e a dois e dez anos para mínimos desde junho em relação a quarta-feira, alinhados com os da Grécia e Itália.

Perto das 8h50 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a cair para 1,713%, um mínimo desde junho e contra 1,718% na quarta-feira. No prazo de cinco anos, os juros estavam a recuar para 0,482%, contra 0,489% na quarta-feira. Os juros a dois anos estavam a recuar para -0,322%, um mínimo dos últimos seis meses e contra -0,313% no final da sessão anterior.

Os juros da Irlanda e de Espanha estavam a subir a dois anos e a cair a cinco e dez anos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha perto das 8h50:

2 anos… 5 anos… 10 anos

Portugal

13/12……-0,322….0,482……1,713

12/12……-0,313….0,489……1,718

Grécia

13/12…….n.disp…3,251……4,209

12/12…….n.disp…3,272……4,250

Irlanda

13/12……-0,470…-0,006……0,961

12/12……-0,473…-0,001……0,964

Itália

13/12…….0,486….1,965……2,941

12/121……0,574….2,057……2,998

Espanha

13/12……-0,173….0,382……1,423

12/12……-0,178….0,386……1,426

Fonte: Bloomberg Valores de bid (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)