Rádio Observador

Holanda

Portugal entregou à Holanda presidência de força multinacional de polícia

110

Portugal passou o testemunho da Força de Gendarmeria Europeia, uma força multinacional de polícia militarizada constituída por forças de segurança com estatuto militar de sete países, à Holanda.

A Eurogendfor tem presidências rotativas durante um ano e integra atualmente nove países

RUI MINDERICO/LUSA

Portugal entregou esta quinta-feira à Holanda a presidência da Força de Gendarmeria Europeia (Eurogendfor), uma força multinacional de polícia militarizada constituída por efetivos de forças de segurança com estatuto militar de sete países.

Portugal assumiu a presidência da Eurogendfor durante um ano, através da Guarda Nacional Republicana (GNR), e passou agora o testemunho à congénere holandesa Royal Netherlands Marechaussee (RNM), por igual período, numa cerimónia que decorreu em Sintra, distrito de Lisboa, e contou com a presença do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

A Eurogendfor, que tem presidências rotativas com duração de um ano, integra atualmente nove países, sendo que Portugal, Espanha, França, Itália, Holanda, Roménia e Polónia têm estatuto de membros, a Lituânia de parceiro e a Turquia de observador.

Esta força tem como objetivo melhorar a capacidade para conduzir operações de gestão civil de crises em áreas vulneráveis, tendo já atuado em cenários como a Bósnia, o Haiti, a Líbia, o Mali e a República Centro Africana.

Em jeito de balanço, Eduardo Cabrita sublinhou esta quinta-feira que Portugal, enquanto país fundador desta força, assumiu o compromisso de a desenvolver e consolidar.

“Ao longo deste ano demos [Governo] pleno apoio à GNR. Esta é uma força que está ao serviço dos valores europeus e para Portugal a segurança é um elemento essencial”, afirmou o ministro.

O comandante da RNM, Harry van den Brink, afirmou que a presidência holandesa pretende continuar “no mesmo caminho” da portuguesa, “reforçando a colaboração entre todas as forças”.

“Quero agradecer a Portugal por ter organizado este encontro. Agradecer pelos esforços que foram feitos e pelos passos que foram dados. Nunca paramos de aprender”, sublinhou o general holandês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Pothoven, laissez-faire e a morte anunciada

António Graça Moura
143

Pothoven ficar-me-á sempre na memória como um símbolo, pelas reações que espoletou, duma sociedade pós-moderna que privilegia as soluções mais imediatas. E que o sistema que a devia ter apoiado falhou

Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)